Acordo político pode levar prefeito de Novo Airão ao fracasso (Parte I)

Prefeito Frederico Jr. e seu líder Daniel Barros (PRTB) – foto: Ascom

O prefeito Frederico Júnior (MDB) assumiu o comando da prefeitura de Novo Airão no dia 4 de dezembro do ano passado. Passados 100 dias, percebe-se que ele vem evitando se pronunciar sobre a real situação da prefeitura.

Frederico não disse nada sobre as finanças e nem sobre o orçamento comprometido para o exercício financeiro do ano seguinte, nada sobre restos a pagar, nada sobre débitos com a previdência social, dentre outras obrigações.

Sabe-se que prefeitos anteriores jogaram Novo Airão na vala comum, deixando o município no fundo do poço e sem previsão para sair desse buraco sem fundo.

Quando assumiu a municipalidade, o prefeito detinha uma popularidade superior a 70 por cento, mantendo-se nesse patamar até o final de janeiro.

Prefeito Frederico Jr. e seu líder Daniel Barros (PRTB) – foto: Ascom

 

No entanto, ele resolveu desafiar seus 4.290 eleitores que o elegeram prefeito na eleição suplementar de outubro do ano passado, ao firmar “parceria política” com os vereadores Nerita de Castro (DEM), Daniel Barros (PRTB), presidente e vice-presidente da Câmara de Vereadores, respectivamente, e Rocicleide Andrade (DEM), todos fiéis aliados do ex-prefeito Wilton Santos (PSDB).

Como se não bastasse, Frederico escolheu Daniel Barros como seu líder na Câmara, justificando a indicação “a boa atuação dele de combate ao ex-prefeito Wilton Santos”.

Assim que foi anunciada a “parceria”, a credibilidade do prefeito foi ficando em xeque, e só não despencou devido a forte divulgação de sua imagem pelas redes sociais, como forma de manter a sedução do povo pela sua imagem e esconder a história política nada republicana dos três vereadores.

Vereadora Nerita Castro, a aliada de ocasião do prefeito Frederico Jr. – foto: arquivo

Mesmo contrariando as expectativas de seus eleitores, os possíveis resultados políticos da “parceria” Frederico/Nerita/ Daniel já podem ser percebidos por boa parte da população e definidos como o início da construção de uma trilha de rastros suspeitos.

Cumpridos os primeiros 100 dias de governo, o prefeito já contabiliza algumas decisões administrativas que poderão comprometer futuras metas fiscais. As diretrizes de interesses pessoais traçadas pelos ditos vereadores podem levar a atual gestão a enveredar por caminhos perigosos.

Gestos que podem decretar o fim político do agora “prefeito da tão sonhada esperança por mudança”. Quanto a tal “parceria política” com políticos suspeitos, Frederico deve, sim, uma explicação ao povo de Novo Airão, sob pena de ser taxado de mentiroso.

Serviços essenciais

O prefeito Frederico Júnior (MDB) cumpre seus primeiros 100 dias de governo priorizando a manutenção dos serviços essenciais à população. A prestação de tais serviços está sendo avaliada como satisfatória, cujo resultado busca o contentamento da coletividade em geral, principalmente do povão, que se enche de prazer advindo de realizações do que ele, o povão, pensa estar esperando, do que ele, o povão, deseja para si.

Para a manutenção da prestação desses serviços, o Código de Defesa do Consumidor estabelece que os órgãos públicos (suas empresas, concessionárias, permissionárias) são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e contínuos à sociedade. Caso não o façam, as empresas desse setor serão compelidas a cumprir com tais obrigações, bem como a reparar eventuais danos causados ao consumidor ou ao contribuinte.

 

 

 

 

 

 

Por: Garcia Neto – jornalista e professor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui