Agronegócio e bioeconomia, perspectivas da ZFM-2073 – por Osíris Silva

Escritor e economista Osíris Silva/Foto: Divulgação

Estudos especializados da Embrapa e das mais importantes escolas agrícolas do Brasil concluem, a uma só voz, não haver dúvidas de que um dos maiores desafios da humanidade no século XXI consiste em compatibilizar a oferta de alimentos e energia a toda a população do planeta, preservando-se os recursos naturais. Nesse intrincado desafio, cabe ao agronegócio posição de destaque. Entidades de alta respeitabilidade mundial, como o USDA, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, fundado por Abraham Lincoln em 1862, 105 mil funcionários, vem mostrando que nos próximos dez anos a oferta mundial de alimentos vai continuar crescendo.
Dados da FAO, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, concluem que até 2050, quando a população global ultrapassará 9,3 bilhões de pessoas, a produção de alimentos deverá aumentar em mais de 50%. Para o USDA, o Brasil, onde a produção do agronegócio vem se expandindo de forma mais consistente, deverá responder por 41% do esforço mundial. Estudos do ex-ministro da agricultura e professor da Esalq, Roberto Rodrigues, indicam ser possível o alcance da meta levando em conta três pilares principais: tecnologia, disponibilidade de terra e gente capaz em todos os elos das cadeias produtivas. O primeiro tem a ver com a tecnologia tropical sustentável de nossos órgãos de pesquisa e desenvolvimento, liderados pela Embrapa e implementados por universidades, instituições públicas e privadas atuando em todo o território nacional.
De fato, a agropecuária brasileira vem fortemente sendo beneficiada por tecnologias de ponta desenvolvidas desde a fundação da Embrapa, em 1972. Com efeito, o país passou a experimentar crescimentos extraordinários impulsionados por ganhos de produtividade por hectare. No período, explica Roberto Rodrigues, enquanto a área plantada com grãos cresceu 61% no país, a produção aumentou 312%, cinco vezes mais. Esses números são ainda mais expressivos ao se considerar que, se a produtividade por hectare fosse a mesma de 1990, seriam necessários mais 95 milhões de hectares para colher a safra 2016/17.
Em outras palavras, segundo Roberto Rodrigues, “estes 95 milhões de hectares de florestas ou cerrados não foram desmatados, provando a sustentabilidade da nossa atividade rural”. Hoje a safra de grãos do país aproxima-se de 250 milhões de toneladas, enquanto o uso da terra gira em torno de 29% do território nacional. É, portanto, imenso o potencial de crescimento do agronegócio brasileiro. O mesmo desempenho se repete em culturas permanentes (frutas, café) e semipermanentes como a cana-de-açúcar. Em todos os casos, a área plantada cresceu menos do que a produção, poupando florestas do desmatamento.
Os saltos tecnológicos, entretanto, prosseguem. O mercado, salienta Rodrigues, aguarda uma espetacular onda de inovações no campo, sobretudo no que diz respeito à conectividade, que fará as máquinas e equipamentos agrícolas conversarem entre si, e em breve haverá colheitadeiras trabalhando sem operador, manejadas remotamente do escritório. Há centenas as startups em busca de soluções de TI na gestão das fazendas e empresas do agro, cooperativas e agroindústrias. Drones já voam sobre os campos do país identificando áreas que precisam de combate a pragas e doenças, reduzindo custos operacionais.
Nanotecnologia e biotecnologia aplicadas ao campo reduzirão ainda mais os custos com melhoria de produtividade, observa o ex-ministro. Esta mesma lógica vem sustentando o desenvolvimento do agronegócio na Amazônia. No Amazonas, cadeias produtivas voltadas à produção de alimentos, exploração dos recursos da biodiversidade, ao ecoturismo, ao manejo florestal sustentável podem florescer desde que se realizem os investimentos necessários em P,D&I. Estudos do Inpa concluem que o mercado mundial de madeira, por exemplo, pode ser abastecido pela região durante ao menos 100 anos. Sem derrubar um hectare sequer de floresta.
Manaus, 29 de junho de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui