Avião da Força Aérea do Chile desaparece com 38 pessoas a bordo

General Eduardo Mosqueira, da Quarta Brigada Aérea do Chile — Foto: A P

A Força Aérea do Chile (FACh) informou na madrugada desta terça-feira (10) que uma aeronave com 38 pessoas a bordo está desaparecida. O avião C-130 Hércules da instituição fazia um voo de Punta Arenas para a Antártica ontem segunda-feira (9).

O paradeiro da aeronave é desconhecido, e equipes de busca tentam localizá-la.

O avião partiu da cidade de Punta Arenas às 16h55 (horário local e de Brasília) e perdeu contato com a base de controle às 18h13.

Das 38 pessoas a bordo, 17 eram tripulantes e 21 eram passageiros, dos quais 15 são da Força Aérea chilena, três são militares do Exército e três são civis (duas pessoas da empresa de engenharia Inproser e uma da Universidade de Magallanes).

Os nomes foram divulgados na terça-feira (10) pela Força Aérea.

Quando desapareceu, o avião estava a 700 km de Punta Arenas e a 500 km de seu destino na Antártica, detalhou o diretor de Imprensa e Operações da Força Aérea do Chile, general Francisco Torres.

A autonomia de voo da aeronave expirou no início da madrugada desta terça, e esse motivo levou a FACh a considerar o C-130 Hércules “sinistrado”.

“O avião é considerado ‘sinistrado’ porque a autonomia do voo terminou à 0h40. Supõe-se que o avião ficou sem combustível e, portanto, não está mais voando”, disse Torres.

As condições meteorológicas estavam boas no momento em que a aeronave desapareceu.

Após o comunicado oficial sobre a perda de contato com o avião, equipes de resgate partiram para operação de busca e salvamento na região de Magallanes, no sul do Chile.

Navios mercantes que estão na área foram chamados para ajudar na busca. Também foi informado que a Força Aérea do Uruguai colocou um Hércules para auxiliar nas buscas.

Ao todo, estão participando dois navios mercantes, dois das forças armadas, 13 aviões e três satélites.

O avião levava apoio logístico rumo à Base Aérea Antártica Presidente Eduardo Frei Montalva. A equipe a bordo faria revisão do oleoduto flutuante que há no local e participaria de uma ação para um tratamento anticorrosivo das instalações no local.

Fonte: G1/Mundo


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui