Banco Central reconhece o fracasso das reformas após golpe de 2016 e no governo Bolsonaro

Banco Central reconhece queda na economia do Brasil - foto: recorte/divulgação

“As reformas foram feitas e a projeção tinha que melhorar, subir, mas caiu”, disse Roberto Campos Neto.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reconheceu o fracasso das reformas neoliberais, que foram implementadas no Brasil após o golpe de estado contra a ex-presidente Dilma Rousseff mais especificamente no governo Bolsonaro.

“Quando enumeravam as razões apontadas para o baixo crescimento, lá em 2014, vinha que precisávamos de reforma da Previdência, tributária, trabalhista, uma lei de eficiência econômica, outra para o mercado de gás, precisávamos de infraestrutura.” afirmou Campos Neto ao programa Canal Livre, da BandNews.

“Se eu fizer uma lista de 20 de itens de que precisávamos e for ver o que foi feito, temos que boa parte da lista foi endereçada. A projeção tinha que melhorar, subir, mas caiu.”

“Campos Neto lembrou que, há cerca de uma década, pesquisas do Banco Central, com base em análises de economistas do mercado financeiro, apontavam que o crescimento do Brasil a longo prazo oscilavam entre uma média de 2% e 2,5% ao ano, uma taxa baixa para um país emergente com o Brasil.

Agora, essa projeção de crescimento é mais baixa ainda. Fica entre 1% e 1,5%”, aponta reportagem da Folha de S. Paulo.

247

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui