Carga com 60 mil m³ de oxigênio chega a Manaus para reforçar a rede de saúde

Foto: Divulgação

Uma carga com aproximadamente 60 mil metros cúbicos (m³) de oxigênio medicinal chegou a Manaus, na quarta-feira (10/02), e vai ajudar no esforço do Governo do Amazonas para ampliar a oferta do produto na rede assistencial de saúde de média e alta complexidade do Estado, garantindo tratamento especializado aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e, em especial, às pessoas acometidas pela Covid-19.

Esta é a segunda remessa do produto, trazida do Maranhão, pela Air Liquide Brasil, uma das maiores empresas do ramo de gases e tecnologias para a área medicinal do país. A primeira chegou à capital no dia 25 de janeiro, e somou 145 mil m³ do produto. A aquisição foi feita pelo Ministério da Saúde, para ajudar a suprir a escassez do insumo, decorrente do aumento do número de hospitalizações em meio à pandemia do novo coronavírus.

Outras cinco carretas, contendo em média 20 mil m³ de O2 cada, devem chegar a Manaus entre amanhã (12/02) e domingo (14/02), finalizando o último comboio previsto no cronograma traçado junto à empresa.

A estratégia faz parte do Plano de Contingência elaborado através da cooperação entre os Governos do Amazonas e Federal, para solucionar o déficit entre oferta e demanda de oxigênio medicinal no Amazonas, permitindo, assim, a abertura de novos leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para ampliar o atendimento na rede.

A expectativa é que, com a manutenção do equilíbrio, sejam inseridos na rede da capital pelo menos 350 novos leitos, sendo 100 de UTI e 250 clínicos. A ampliação teve início com a abertura de vagas para a admissão de novos pacientes no Hospital Nilton Lins e no Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo.

Em paralelo a isso, o Estado mantém, de forma dinâmica, a instalação de miniusinas na capital e no interior. Até agora, 22 estão em operação, adquiridas por fontes diversas. A meta é que sejam instaladas 69, das quais 30 estão em fase final de aquisição pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-AM).

Segue também o processo de remoção de pacientes com Covid-19 e outras patologias para hospitais federais em outras unidades da federação, desafogando as unidades de referência do Amazonas. Foram mais de 500 pacientes nas últimas semanas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui