Casos de malária têm redução de 8,7%

Foto: Reprodução

No período de janeiro a maio deste ano, a Prefeitura de Manaus registrou a notificação de 1.889 casos de malária, com redução de 8,7% em relação ao mesmo período de 2019. Cada notificação é realizada a partir da rede de diagnóstico da doença no município, com a prefeitura mantendo atualmente, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), 33 pontos de diagnóstico distribuídos nas zonas Norte, Sul, Leste, Oeste e rural, além do atendimento nas unidades das redes estadual e particular de saúde.

“Mesmo com a pandemia da Covid-19 e consequente sobrecarga nos serviços de saúde, a Prefeitura de Manaus procurou manter a oferta do exame na rede de diagnóstico na rotina de atendimento à população, assegurando o tratamento dos pacientes e controlando o risco de aumento de casos, conforme as orientações do prefeito Arthur Virgílio Neto”, observa a gerente de Vigilância Ambiental da Semsa, enfermeira Alinne Antolini.

Segundo ela, a lista com o endereço das 33 Unidades de Saúde da rede municipal, que realizam o diagnóstico para a malária pode ser acessada no site da Semsa (semsa.manaus.am.gov.br), e a população deve procurar um dos pontos de diagnóstico da malária no caso de apresentar sintomas como: febre alta, calafrios, tremores, sudorese (suor excessivo) e dor de cabeça, mas algumas pessoas também apresentam náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.

As unidades que fazem o diagnóstico em Manaus realizaram 46.816 exames para malária no período de janeiro a maio de 2020. De acordo com o chefe do Núcleo de Controle da Malária da Semsa, João Altecir Nepomuceno da Silva, esses exames foram realizados pelos 69 pontos de diagnóstico localizados nas zonas rural e urbana do município, incluindo os municipais, estaduais e particulares.

A malária é uma doença infecciosa produzida por protozoários do gênero plasmodium, tendo como principal vetor de transmissão o mosquito anopheles, e é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um grande problema de saúde pública nos países em desenvolvimento.

Na prevenção à malária, a população pode contribuir com cuidados básicos, para evitar a disseminação da doença: uso de mosquiteiros; uso de roupas que protejam pernas e braços, para evitar a picada do mosquito; colocação de telas em portas e janelas; uso de repelentes; e nas áreas de incidência do mosquito transmissor da malária, normalmente locais de floresta com rico manancial de água limpa, é necessário que a população evite frequentar beira de rios, igarapés e áreas alagadas no final da tarde ou no amanhecer, período onde há maior circulação do mosquito transmissor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui