Concurso para Procurador deverá ser suspenso em Humaitá

Foto: Divulgação - MPAM

A ausência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no concurso público para Procurador resultou em uma recomendação, expedida pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM), por meio da Promotoria de Justiça de Humaitá (a 580 quilômetros de Manaus). Conforme o órgão ministerial, o certame deverá ser suspenso por descumprir o artigo 132 da Constituição Federal, que é aplicado por simetria aos municípios.

De acordo com a Promotoria, o cargo de Procurador Municipal exige uma seleção mais rigorosa e a participação da OAB atende a essas finalidades. A recomendação tem o objetivo de adequar o edital às determinações constitucionais. O concurso deverá ser suspenso, segundo o MPAM, até que seja providenciada a inclusão da ordem dos advogados para a sua realização. Os candidatos poderão ter o dinheiro pago pela inscrição restituído.

A Prefeitura de Humaitá tem até dez dias para acatar a recomendação do ministério. Caso isso não aconteça, pode acarretar em ação judicial cabível para resolução da questão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui