Coreia do Norte começa o primeiro congresso político em 36 anos


O esperado primeiro congresso do partido único da Coreia do Norte em quase 40 anos teve início, nesta sexta-feira (6). Quase nenhuma informação, no entanto, foi divulgada para o grupo de jornalistas internacionais que tiveram raro acesso ao país.

O encontro político está sendo visto como um momento para o ditador Kim Jong Un consolidar seu poder sobre o país, já que o último congresso do tipo foi realizado antes do nascimento do líder.

A fechada Coreia do Norte alardeou, por meio de sua imprensa estatal, “resultados milagrosos” no setor industrial do país e disse que avanços no campo militar, em desafio às sanções internacionais, eram “os maiores presentes” para o congresso do partido.

Nenhuma fonte oficial, no entanto, deu informações sobre a reunião política, se limitando a dizer que estava em andamento. A previsão é que o congresso dure de quatro a cinco dias.

Os mais de 100 jornalistas estrangeiros que tiveram permissão de entrar no país foram levados pelo governo para as redondezas do prédio que abriga o congresso. Nenhum, no entanto, teve autorização para entrar no local.

O congresso é a mais alta esfera de decisões do partido único do país. Na realidade, no entanto, as decisão são tomadas pelo ditador Kim e seu círculo mais próximo de assessores. Assim, os delegados que compareceram ao encontro devem mais chancelar que debater.

Segundo a imprensa estatal, o momento é de celebração histórica pelo fato de Kim ter guiado a nação para ser “uma potência nuclear, espacial”.Espera-se que o congresso dê pistas sobre outras prioridades do ditador e sobre as pessoas que estarão a seu lado.

É possível que Kim substitua a velha guarda do partido por jovens leais ao norte-coreano, elevando sua irmã mais nova, Kim Yo Jong, a uma posição de braço direito do líder.

ARMAS

“Kim está atrás de um arsenal nuclear e do desenvolvimento econômico. É provável que ele declare que o país detém armas nucleares, então isso já seria um ponto”, disse Yang Moo-jin, da Universidade de Estudos sobre a Coreia de Norte, em Seul.

“Ele pode, também, apresentar um plano de cinco ou sete anos para o desenvolvimento da economia”, avalia Yang.

Esta semana, a Reuters noticiou um boom imobiliário na capital Pyongyang nos últimos meses, dando mostra do florescimento de uma economia de mercado no país.

(FOLHAPRESS)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui