Covid-19: Por que 1° infectado no Brasil pode nunca ser descoberto

Foto: Reprodução

Um empresário de 61 anos é considerado o primeiro diagnóstico no Brasil. Ele testou positivo para a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, em 25 de fevereiro, no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo (SP). O paciente havia retornado do norte da Itália, região que começava a enfrentar uma explosão de casos de Sars-Cov-2. Ele tinha sintomas como febre e tosse seca — cerca de duas semanas depois do diagnóstico, o paciente se recuperou, segundo o Governo de São Paulo.

Em meio ao crescimento exponencial de registros no Brasil, estudiosos consideram que é difícil afirmar com precisão o primeiro caso do país. Entre os motivos para que possa ter havido casos que não foram descobertos anteriormente estão a falta de orientações de autoridades antes do primeiro diagnóstico, a grande quantidade de pacientes assintomáticos e o fato de que o novo coronavírus pode ter sido confundido com outros problemas respiratórios.

Uma das principais alternativas para descobrir casos anteriores aos primeiros diagnósticos é o teste de anticorpos, que permite descobrir se a pessoa teve o coronavírus anteriormente. Isso ajuda a entender a rapidez da propagação do vírus e possíveis casos que não foram diagnosticados. Esses exames, porém, ainda são incipientes no Brasil.

Outro método importante no estudo sobre a origem do coronavírus no Brasil é o sequenciamento do genoma do vírus, que esclarece aspectos como de quais países vieram os casos brasileiros e a evolução do Sars-Cov-2 por aqui.

Enquanto especialistas estudam as portas de entrada do vírus em diferentes países — em todo o mundo, até o momento são mais de 2 milhões de casos e 150 mil mortes —, uma pergunta importante sobre a origem da pandemia ainda não foi respondida: a identidade do paciente “zero” na China.

Leia a matéria completa aqui

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui