Descarte: militares não tem mais o que fazer com Bolsonaro, aponta Cristina Serra

Bolsonaro não tem mais utilidade para os militares e está sendo descartado - foto: recorte

“Bolsonaro não serve mais como instrumento de seu projeto de poder e, ao que parece, eles irão buscar alternativas”, diz a jornalista após nota de Barra Torres.

“Alcançou grande repercussão a carta do diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, cobrando de Bolsonaro uma retratação diante de suspeitas infundadas a respeito de decisões da agência sobre vacinas.

Barra Torres vem se afastando do presidente, mas daí a considerar que estão em campos opostos vai uma longa distância”, escreve a jornalista Cristina Serra na Folha de S.Paulo.

Contrariando o chefe

A jornalista avalia que a posição agora adotada por Barra Torres faz parte de “movimentos oportunistas”. “Agora que Bolsonaro derrete nas pesquisas, outros tomam atitudes que contrariam o chefe.

O comandante do Exército, Paulo Sérgio de Oliveira, determinou a vacinação contra a Covid para que militares retornem ao trabalho presencial. E proibiu que divulguem notícias falsas em redes sociais. Oliveira foi quem poupou o general Pazuello de punição quando este participou de um ato com Bolsonaro, em evidente transgressão disciplinar”.

“Outro exemplo é o ex-ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, que toma ares de democrata ao assumir cargo no TSE. É o mesmo que celebra o golpe de 1964 e que jogou dinheiro público no lixo ao autorizar a produção de cloroquina no laboratório do Exército”.

“São movimentos oportunistas, típico “reposicionamento de marca” de uma parcela dos militares.

Bolsonaro não serve mais como instrumento de seu projeto de poder e, ao que parece, eles irão buscar alternativas. Isso não os torna menos golpistas nem anula o fato, negativo em todos os sentidos, de que estão fazendo política quando deveriam estar nos quartéis”. Leia a íntegra.

Cortes 247 e assista:

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui