Design de Interação é aplicado para reduzir depressão entre adolescentes

Desing

Um dispositivo interativo voltado para reduzir o Transtorno Depressivo Maior (TDM) de grau leve em adolescentes de 12 a 17 anos é a proposta do estudo iniciado pelo estudante do curso de Design da Faculdade Fucapi, Christian Alex de Souza, sob orientação das professoras Marcella Sarah Farias e Neila Pinto. A ideia é usar meios para promover a reinserção social e prevenir o agravamento da doença utilizando os conceitos de Interação Humano Computador (IHC) e Ergonomia Afetiva.
Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 800 mil pessoas cometem suicídio todos os anos e estima que 121 milhões de pessoas sofrem com a doença da depressão, dentre elas as maiores taxas são entre os jovens de 14 a 29 anos recorrentes por transtornos mentais. Esse cenário chamou atenção do estudante que desenvolveu uma pesquisa acadêmica utilizando a técnica de ‘Design de Interação’. “O foco dessa ferramenta é desenvolver produtos interativos que tenham fácil utilização, aliados a conceitos de psicologia para amenizar os efeitos do TDM em adolescentes”, explicou a orientadora Farias.

No estudo, foram utilizados três aplicativos durante a pesquisa, Hellblade, Actual Sunlight e The black Dog.  Dentre os resultados obtidos, foi possível alcançar dados mais específicos e detalhamentos de caráter científico sobre a realidade, as causas e sintomas da depressão em adolescentes. Para construção do projeto foi utilizado o método do ‘Design Thinking’, onde nas suas etapas foram divididas em imersão, ideação e prototipação. “Como resultados, foi observado que os adolescentes com TDM de grau leve têm a necessidade de serem monitorados, visto em que o período de picos emocionais e pensamentos perigosos estão relacionados ao momento de total isolamento da sociedade”, disse o estudante.

Desing
                                                          Desing Antidepressivo/Divulgação

Segundo ele, o dispositivo criado tem como sua principal função propor o acompanhamento ao usuário, estimulando-o a exercer atividades físicas, de autoestima e promover a interação entre outros usuários. “É possível notar então, que o campo de design pode aliar facilmente seus conceitos à diversas áreas, produzindo além da estética visual, mas também de produtos de caráter emocional”, detalhou Souza.

Sobre o dispositivo

O dispositivo, ainda em fase de prototipação, terá uma interface digital que amenize os efeitos do TDM de grau leve, buscando contribuir para o estímulo das relações sociais, e prevenir o agravamento do nível leve para o nível moderado. Como entrada de dados terão os comandos feitos pelo usuário através dos botões e por meio dos comandos de voz. A saída de dados será pelas respostas geradas na tela, por meio da vibração do dispositivo e/ou reprodução de som.

Souza afirma ainda que esse tipo de transtorno acaba por ocorrer cada vez mais cedo, prejudicando não só ao paciente como também as pessoas relacionadas a eles. “Atualmente, a depressão é referida como uma doença multifatorial, ou seja, com várias causas envolvidas no seu aparecimento, uma doença de causa biopsicossocial”, completou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui