Desmatamento ajuda vírus mortais a saltar de animais para humanos

Comércio ilegal de pangolins em Myanmar - Foto: Dan Bennett/Wikimedia

A pandemia de coronavírus, supostamente originária de morcegos e pangolins, pôs o risco de vírus que saltam da vida selvagem para os seres humanos em um foco persistente.

Esses saltos geralmente acontecem nas bordas das florestas tropicais do mundo, onde o desmatamento está cada vez mais colocando as pessoas em contato com os habitats naturais dos animais. Febre amarela, malária, encefalite equina venezuelana, ebola – todos esses patógenos se espalharam de uma espécie para outra nas margens das florestas.

Como médicos e biólogos especializados em doenças infecciosas, estudamos essas e outras zoonoses à medida que elas se espalham pela África, Ásia e Américas. Descobrimos que o desmatamento tem sido um tema comum.

Mais da metade do desmatamento tropical do mundo é impulsionado por quatro commodities: carne bovina, soja, óleo de palma e produtos de madeira. Eles substituem florestas tropicais maduras e com biodiversidade por monoculturas e pastagens. Como a floresta é degradada aos poucos, os animais que ainda vivem em fragmentos isolados da vegetação natural lutam para existir. Quando os assentamentos humanos invadem essas florestas, o contato humano-vida selvagem pode aumentar e novos animais oportunistas também podem migrar.

A propagação resultante da doença mostra a interconectividade dos habitats naturais, dos animais que neles habitam e dos seres humanos.

Leia matéria completa na Revista Planeta

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui