Dia do Meio Ambiente: busca por conhecimento sobre recursos florestais

Aposta em jovens para apontar ações que diminuam degradação do meio ambiente.
Aposta em jovens para apontar ações que diminuam degradação do meio ambiente.

Na semana em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, 05 de junho, e em um contexto de pressão crescente sobre os recursos naturais em todo o mundo, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) chama a atenção para que os países melhorem seu conhecimento e pesquisas para promoção e gestão sustentável dos recursos genéticos florestais. Segundo adverte o relatório “O estado dos recursos genéticos florestais no mundo”, a metade das espécies florestais utilizadas e assinaladas pelos países está ameaçada pela conversão de bosques em pastos e terras de cultivo, a exploração e o impacto da mudança climática.

O dia 05 de Junho é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente, que chama a atenção e ação política de povos e países para aumentar a proteção ambiental.
O dia 05 de Junho é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente, que chama a atenção e ação política de povos e países para aumentar a proteção ambiental.

De 23 a 27 de junho deste ano, vários países deverão reunir-se na sede da FAO, em Roma, capital da Itália, para discutirem as questões urgentes relacionadas ao tema. “Os bosques proporcionam alimentos, bens e serviços que são essenciais para a sobrevivência e o bem-estar de toda a humanidade. Todos esses benefícios dependem da salvaguarda da rica reserva da diversidade genética florestal do mundo, que se encontra cada vez mais ameaçada”, explica o subdiretor geral do Departamento Florestal da FAO, Eduardo Rojas-Briales.

Segundo Linda Collette, secretária da Comissão de Recursos Genéticos para a Alimentação e a Agricultura (CRGAA), dados de 86 países indicam que a falta de consciência sobre a importância dos recursos genéticos florestais para melhorar a produção florestal e os ecossistemas se traduz frequentemente em políticas nacionais parciais, ineficazes ou inexistentes.

Assim, somente 3% das espécies de árvores do mundo são geridas de forma ativa. A FAO avalia que os governos devem atuar e colocar em prática o Plano Mundial de Ação para os recursos genéticos florestais. “A FAO e sua Comissão estão dispostas a orientar, apoiar e ajudar os países na conservação e o uso sustentável desses recursos”, assegura Collette.

De acordo com a FAO, a contribuição dos bosques e árvores para impulsionar a segurança alimentar, reduzir a pobreza e promover o desenvolvimento sustentável depende da disponibilidade de uma grande diversidade de espécies arbóreas. “A diversidade genética permite aos geneticistas aumentar a produção em qualidade e quantidade. Uma ampla variedade com os traços desejáveis, tais como o tamanho do fruto, velocidade de crescimento, composição do azeite e a proporção de polpa são requisitos prévios para obter e domesticar espécies arbóreas melhoradas”, destaca a Organização.

Ao mesmo tempo, essa diversidade é necessária para garantir que os bosques possam adaptar-se a condições ambientais em contínua transformação, inclusive à mudança climática, fortalecendo-se diante de fatores como estresse, pragas e doenças. Além disso, a inclusão de diversas variedades de árvores nos sistemas agroflorestais pode reduzir os riscos de produção dos agricultores e proporcionar nutrientes aos consumidores durante todo o ano.

A Comissão destaca a necessidade de medidas urgentes para melhorar a gestão dos bosques e seus recursos genéticos, e assegurar que a população rural, que depende deles para sua nutrição, meios de vida e resiliência, possa desfrutar de seus benefícios em longo prazo. Também indica ser de vital importância desenvolver e fortalecer os programas nacionais que assegurem a disponibilidade de sementes de árvores apropriadas em nível genético. (Adital Notícias)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui