Cultura Educação

Distribuição de livros encerra atividades do projeto ‘Príncipe da Encantaria’

Fotos - Divulgação
Redação I
Escrito por Redação I

Uma distribuição de exemplares do livro de conto infantil “Príncipe da Encantaria”, projeto contemplado no edital de Conexões Culturais 2017, da Prefeitura de Manaus, que será realizada nesta quinta-feira, 9/5, na escola municipal Marechal Cândido Rondon, bairro Tarumã, zona Oeste, marca o fim da programação de atividades realizadas pelo respectivo projeto. As atividades, que tiveram início no dia 16/4, têm como foco alunos da 2ª a 5ª séries do ensino fundamental de unidades da rede pública.

Entre as atividades propostas, foram realizadas oficina de “Leitura e Letramento”, distribuição de exemplares do conto para as crianças das escolas contempladas, além da exibição do curta-metragem “Príncipe da Encantaria” de 2018, que trouxe a adaptação para o livro.

O filme, dirigido por Izis Negreiros, é uma versão do boto cor-de-rosa para crianças e foi inspirado na infância da própria diretora, em homenagem à avó Esmeralda, que costumava contar as histórias das lendas da Amazônia para os netos. A obra recebeu várias premiações nacionais.

“Esse conto é bem diferente da história do boto cor-de-rosa original, porque não tem essa questão da “coisa” sexual. Até porque, essa versão é destinada para crianças, então foi pensado em algo lúdico com as ilustrações baseadas no curta-metragem. Nesse conto, falamos sobre um boto adolescente que vive em uma casa no fundo do rio chamada “Cidade das Águas”, e esse personagem salva pessoas. Isso tudo foi construído pensando sob o ponto da imaginação de uma criança”, disse Negreiros.

Fotos – Divulgação

A ação do projeto começou pelas escolas municipais Professora Francisca Campos Corrêa, no Tarumã, e Adolpho Ducke, no bairro Cidade de Deus, nos dias 16/4 e 17/4, respectivamente. E ainda no dia 17, a atriz e mestre em Cinema Socorro Langbeck, que foi a protagonista “Esmeralda” do curta-metragem, esteve presente. Durante o evento, também foi feita uma homenagem à produtora-executiva Rachael Lira, morta em 2014, por ser uma das maiores incentivadoras da realização da obra.

Já a oficina oferecida foi realizada no dia 5/5, na biblioteca comunitária da aldeia indígena Moray, no bairro Campos Sales, zona Oeste, onde teve participação de pais convidados, para que fosse transmitida a mensagem sobre a importância da leitura para as crianças de 8 a 12 anos.

O filme

Iniciado em 2014 e finalizado em 2018, o filme conta com a atuação da atriz, jornalista, professora e mestre em Cinema Socorro Langbeck, interpretando “Esmeralda”, narradora principal da história. A trilha sonora é assinada pelo músico e compositor Leandro Negreiros, que é parceiro na criação de diversos trabalhos da diretora, enquanto Michelle Moraes ficou responsável na produção executiva e também participa do filme. Já a direção de arte traz o trabalho do diretor Roberto Roger e a fotografia é de Ivan Perin. A produção é por conta da Maya Filmes, que tem o apoio da 602 Filmes.

O curta foi vencedor de roteiro no concurso Proarte 2012. Já em 2018, foi um dos 16 filmes selecionados entre diversos do Brasil inteiro para compor um conjunto de filmes licenciados por dois anos para a Mostra Itinerante Infantojuvenil de Audiovisual (Miia), em São Paulo, e que passou pelas cidades de Diadema (Cine Eldorado) e Taboão da Serra (Parque das Hortênsias) com a programação no período de 21 a 29 de setembro. A carreira do curta-metragem também teve sua participação em outras cidades do país, durante a 12ª Mostra Cinema e Direitos Humanos, no mês de dezembro.

Em 2019, devido à receptividade do público infantojuvenil durante a sua passagem na mostra em São Paulo, o curta-metragem foi convidado pela entidade organizadora da 12ª Mostra Cinema e Direitos Humanos de São Paulo, para integrar a mostra de boas-vindas aos alunos na primeira semana no início do ano letivo.
Em abril, no período de 22 a 27, participou de seu primeiro festival concorrendo às premiações no 12º Curta Taquary, ocorrido na cidade de Taquaritinga, no agreste de Pernambuco. O filme foi selecionado dentre as 756 produções inscritas, onde apenas 90 delas compõem a mostra competitiva e mostras paralelas.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.