Embrapa e Pronorte firmam cooperação para avanço da piscicultura no Amapá


As pesquisas com tambaqui e pirarucu ganharam um reforço no Amapá com a cooperação técnica firmada entre a Embrapa e a empresa do ramo de piscicultura Pronorte. No prazo de até um ano estarão funcionando duas Unidades de Referência Tecnológica (URT), sendo uma para produção de alevinos de tambaqui em uma área de cultivo de peixes localizada no distrito de Fazendinha, município de Macapá (AP), e outra para reprodução de pirarucu, no Campo Experimental da Embrapa em Fazendinha. Durante a assinatura do documento de cooperação, o chefe-geral da Embrapa Amapá, Jorge Yared e o empresário Wagner Afonso Rodrigues, destacaram que o objetivo principal é desenvolver e transferir tecnologias e o intercâmbio de conhecimentos para o fortalecimento da piscicultura sustentável de espécies nativas no bioma Amazônia.

Ficou acordado que a empresa Pronorte fornecerá 14 reprodutores de pirarucu, sendo 7 fêmeas e 7 machos, a serem alocados na estação de aquicultura do campo experimental da Embrapa em Fazendinha. A empresa também vai construir um laboratório em sua propriedade, para fins de reprodução e propagação de formas jovens de peixes amazônicos, e fornecerá os reprodutores de tambaqui para atividades de reprodução. O manejo, alimentação e manutenção dos alevinos decorrentes das desovas também são responsabilidade da empresa de piscicultura. A Embrapa, por sua vez, deverá zelar pela manutenção dos reprodutores de pirarucu destinados ao uso em trabalhos de pesquisa e transferência de tecnologias em reprodução; realizar capacitação ao pessoal empregado da empresa Pronorte a fim de qualificá-los a realizarem a alevinagem e manejo de tambaqui na área da URT; fornecer orientações técnicas para a condução dos trabalhos de manutenção dos peixes mantidos na Unidade de Referência Tecnológica sobre alevinagem de tambaqui. Para socializar o processo de reprodução com os demais produtores interessados, a Embrapa vai promover eventos de transferência de tecnologias como treinamentos, capacitações, cursos, oficinas, dias de campo, na própria área da Unidade de Referência Tecnológica.

pirarucu

O plano de trabalho referente a esta parceria está dividido em seis atividades: pesquisa para subsidiar a reprodução dos plantéis de reprodutores de pirarucu e tambaqui; atividades científicas para a fase de engorda, boas práticas de manejo dos animais, métodos de abate e beneficiamento; atividades científicas relacionadas à avaliação de ingredientes nutricionais para formulação de rações específicas, composição de aminoácidos no tecido muscular; avaliação de métodos profiláticos sobre o sistema imune e controle parasitário do tambaqui e camarão, e influência abiótica sobre o parasitismo nos animais; cultivo de tambaqui e camarão da Amazônia em sistemas de aquaponia; e ações de transferência de tecnologias. As atividades serão realizadas na piscicultura localizada no distrito de Fazendinha; na estrutura dos tanques escavados no campo experimental da Fazendinha (ramal do Pólo Hortifrutigranjeiro) e nos laboratórios de aquicultura e galpão de cultivo localizados na sede da Embrapa da Embrapa Amapá, em Macapá. As atividades previstas no acordo de cooperação técnica correspondem ao projeto “Adaptação, capacitação e transferência de tecnologias dos sistemas de produção aquícola para propagação de formas jovens tambaqui, pirarucu e camarão-da-amazônia no território sudeste do Amapá”.

Fonte: Diário do Amapá

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui