EUA procuram pais de 545 crianças separadas por Donald Trump

Entidades procuram pais de 545 crianças separadas na fronteira dos EUA - foto: O Globo

Advogados e organizações sem fins lucrativos que buscam reunir famílias de imigrantes separadas na fronteira dos Estados Unidos com o México pela administração de Donald Trump não conseguiram localizar os pais de 545 crianças.

Um juiz federal ordenou que milhares de famílias separadas se reunissem na fronteira em 2017 e 2018, após um processo da American Civil Liberties Union (ACLU) em 2018.

Um documento sobre o caso apresentado ao tribunal nesta semana mostrou que alguns pais deportados sem seus filhos ainda não puderam ser localizados.

“Pesquisas árduas no local” de pais deportados para seus países de origem – muitos na América Central – foram complicadas pela pandemia covid-19, diz o documento.

Polêmica de Trump

Trump implementou uma polêmica política de “tolerância zero” em maio de 2018 para processar famílias flagradas cruzando a fronteira ilegalmente e separar seus filhos. Mas em meio a um clamor internacional, Trump encerrou a medida poucos meses após seu anúncio.

No total, o governo identificou mais de 4.200 crianças que poderiam ser protegidas pela ordem de reunificação da juíza Dana Sabraw.

Menores longe das famílias

Um comitê formado para localizar parentes de crianças para os quais o governo forneceu números de telefone de um patrocinador ou pai. Mas até 20 de outubro, os pais de 545 crianças não puderam ser localizados, de acordo com o processo no Tribunal Distrital de San Diego, relatado pela primeira vez pela NBC News.

Um comitê formado para localizar membros da família focado em tentar alcançar as famílias das crianças para as quais o governo forneceu números de telefone de um padrinho ou pai.

Mas até 20 de outubro, os pais de 545 crianças não puderam ser localizados, de acordo com o documento no tribunal distrital de San Diego, relatado pela primeira vez pela NBC News.

“Entramos em contato com essas famílias e a triste verdade é que muitas delas se recusaram a aceitar que seus filhos fossem devolvidos a eles”, disse o porta-voz da Casa Branca Brian Morgenstern a repórteres na quarta-feira (21).

A custódia da maioria das crianças foi colocada nas mãos de benfeitores nos Estados Unidos, geralmente parentes.

INTERNACIONAL

Do R7, com Reuters

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui