FGV disponibiliza mais de 100 cursos online gratuitos

Aulas devem atender à demanda por capacitação profissional que surge junto à pandemia/Foto: Divulgação

Desde o início da pandemia, o tempo em casa de muitas pessoas foi dedicado à busca por capacitação profissional. Isso porque a crise colocou em risco o emprego de muitos, que agora buscam melhorar o currículo para ter mais estabilidade no mercado de trabalho. Visando esse grupo de pessoas, diversas instituições de ensino lançaram cursos online e gratuitos.

É o caso da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que atualmente oferece mais de 100 cursos à distância e com certificado, em parceria com a Faculdade Nova Romana. Os assuntos abordados estão dentro de diferentes áreas, como direito, economia, administração e comunicação, com temas sobre análise introdutória de crédito e risco de crédito, direito eleitoral, Atenção Primária em Saúde (APS) na resposta à pandemia de Covid-19, internet e negócios, acesso à informação, produto e marca, ética empresarial, entre outros.

Quem deseja participar pode realizar a inscrição ao acessar o site da fundação (educacao-executiva.fgv.br/cursos/online), clicar na aba “cursos gratuitos” e informar os dados pessoais exigidos.

Falta de capacitação profissional causa desemprego

Os que têm menor acesso à educação também apresentam mais dificuldade de entrar e se estabilizar no mercado de trabalho: é o que indicam pesquisas feitas pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) em anos anteriores. Os dados revelam que cerca de 37,7% dos desempregados estão sem trabalhar por falta de conhecimento teórico.

Outros motivos listados pelos entrevistados para a não identificação com as vagas foram baixo salário, localização da empresa, jornada excessiva de trabalho, falta de dinheiro para sair à procura de emprego, ausência de conhecimento sobre onde encontrar vagas ou discriminação no processo seletivo, mas todas essas justificativas foram menos citadas do que a falta de capacitação.

Por causa disso, portais que disponibilizam cursos online receberam mais acessos desde o começo do isolamento social. O Senac – instituição brasileira de educação profissional – é um exemplo desse cenário: eles tiveram 450 mil novas matrículas nos cursos à distância apenas no período de março a abril.

O Ministério da Educação (MEC) também tomou medidas para atender essa demanda. R$ 60 milhões foram destinados para a abertura de 122 mil vagas em cursos de qualificação profissional à distância na rede federal de educação profissional, científica e tecnológica. As vagas são divulgadas nos sites das instituições parceiras, como institutos federais, Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets) e na plataforma do Novos Caminhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui