Início do verão amazônico contribui para queimadas na região

Queimada na Amazônia brasileira para área de pastagem - Foto: Divulgação

Com o início do verão amazônico começa, também, a temporada de queimadas na região. Dessa maneira, a taxa de desmatamento na área passa a aumentar.

No ano passado, o Brasil prometeu eliminar o desmatamento ilegal até 2030, mas o número de focos de incêndio na floresta amazônica do país atingiu em junho o nível mais alto em 15 anos.

A situação pode piorar este mês, já que os incêndios no Brasil tradicionalmente atingem o pico em agosto e setembro. Estes meses são os mais secos na Amazônia e favorecem a ocorrência de incêndios.

Desmatamento e queimada da Floresta Amazônica – Foto: Divulgação

O forte calor dificulta manter um incêndio sobre controle. Ao contrário dos incêndios florestais na Europa ou nos Estados Unidos, o fogo não ocorre naturalmente na floresta úmida e tropical da Amazônia. Agricultores derrubam e queimam as árvores para limpar o terreno, e às vezes esses incêndios ficam fora de controle.

Os incêndios florestais pioraram desde 2019, quando o presidente Jair Bolsonaro assumiu o cargo e enfraqueceu as proteções ambientais. Com o início do mandato, os órgãos ambientais tiveram o orçamento cortado. Entre agosto de 2020 e julho de 2021, o desmatamento na Amazônia brasileira subiu 22%, atingindo seu nível mais alto desde 2006, de acordo com relatório anual do governo. Aproximadamente 13.235 quilômetros quadrados de floresta foram desmatados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui