Israel libera o uso e livre plantio da Maconha

Foto: Reprodução

No mesmo dia em que o direitista e xenófobo Bibi Netanyahu foi reeleito para o seu quinto mandato de primeiro-ministro, com suas pautas estúpidas, belicosas e ofensivas à dignidade humana, o Congresso israelense aprovou a liberação total do plantio e uso – para qualquer fim – da maconha. Que é uma pauta progressista, de esquerda.

E sem aquelas frescuras do Uruguai, que exige cadastramento e restringe quantidades. Em Israel, não: não tem que se identificar e pode comprar quanto quiser. Nas palavras das autoridades locais, está liberado o “uso adulto”.

Comprar em farmácias, com receita, já era liberado para doenças terminais desde os anos 90; agora vale qualquer receita médica, sem especificar a doença.

Plantar em casa passou a ser permitido, também sem restrições. E também a venda comercial. Já há mais de 400 fazendas aptas a produzir. Um ex-primeiro-ministro é o dono da maior empresa do ramo.

Trata-se de uma planta, como outra qualquer. Não é uma droga, porque não é manipulada em laboratório. E seus usos são múltiplos, desde fumar para relaxar até como matéria-prima de uma infinidade de remédios e cosméticos, além de inúmeros produtos a partir do cânhamo, como roupas e velas de barcos.

A maioria dos homicídios no Brasil ocorre em consequência de repressão ao tráfico ou guerra entre quadrilhas que traficam maconha. A maioria dos presos no sistema carcerário brasileiro é de pequenos traficantes ou usuários sem advogado.

Uma planta muito valiosa, que poderia, comercializada, fazer a diferença em nossa balança comercial e ainda diminuir o banho de sangue provocado pela “guerra das drogas”, foi transformada, no Brasil, em vilã, como se tivesse culpa de alguma coisa e entregue docemente a bandidos de alto saldo bancário, que determinam seu uso, seu preço e a comercializam segundo suas próprias leis e sem contribuir com um tostão para o tesouro nacional.

Foto: Reprodução

Já que Bolsonaro gosta tanto de Israel, podia copiar as coisas boas de lá.

Artigos recentes

“O Brasil precisa saber se o carro foi atingido parado ou em movimento e por qual motivo. Os soldados mandaram parar e o motorista não parou? E ser mandaram parar, por que o fizeram?”, questiona o jornalista Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia, sobre o fuzilamento de Evaldo Rosa dos Santos com 81 tiros por militares do Exército; “O Brasil precisa saber de todos os detalhes desse julgamento porque somente com essa exposição dramática o episódio servirá de advertência para que fatos iguais não voltem a acontecer”

“No dia 31 de março, o presidente Jair Bolsonaro mandou comemorar ou rememorar o que seria, segundo ele, a data em que os militares evitaram a instalação do regime comunista”, escreve Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia; “Oito dias depois, às duas e meia da tarde de um domingo, militares que policiavam a Vila Militar, no Rio de Janeiro, dispararam oitenta tiros contra um veículo cujos ocupantes não haviam manifestado nenhuma atitude hostil”, afirma; “O episódio se tornou tão simbólico quanto o assassinato de Marielle. E quanto maior for o seu silêncio, mais os brasileiros ficarão convencidos de que os militares não foram santos ontem e não o são hoje”

“A maioria dos brasileiros não votou nem concorda com declarações, medidas e atos de Bolsonaro. Acho absurdo, inaceitável, ridículo, etc etc. Mas ‘ninguém reage’ – ou seja, ninguém sai para protestar na rua”, diz Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia; O mais sensato, diz ele, “seria os partidos que se opuseram a ele na campanha aturarem em bloco, sob a liderança daquele que foi o mais bem votado, Haddad”; “A ditadura militar de 64 deitou e rolou enquanto a oposição se digladiava e só caiu quando até a extrema-esquerda aceitou fazer parte de uma aliança liderada por Ulysses Guimarães, que era conservador”, compara
Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia, alerta que “alguns conselhos de uma das maiores fake news de todos os tempos, a brochura antissemita denominada ‘Os Protocolos dos Sábios do Sião’, e que foi usada como pretexto por Adolf Hitler para decretar o extermínio de judeus como política de estado, são aparentemente adotados pelo presidente Jair Bolsonaro”; “O texto reúne 24 atas de uma suposta reunião de sábios judeus e maçons realizada em 1898, na qual planejam dominar o mundo por meio da instalação de um Governo Supremo Judaico e atacam duramente os não-judeus”, observa Solnik

“Estranho país o nosso, que deixa presa uma pessoa que melhorou a vida dos brasileiros e que pode ajudar o país a voltar a crescer e deixa solto aquele que o apequena, achincalha, rebaixa, desumaniza, corrompe e conduz a um destino desconhecido e assustador”, escreve Alex Solnik, sobre a dignidade de Lula e a falta de compostura de Jair Bolsonaro

Fonte: Alex Solnik

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui