Jovem que teve couro cabeludo arrancado em kart é transferida para SP

Débora teve couro cabeludo arrancado em acidente de kart — Foto: Eduardo Tumajan/Acervo pessoal

A jovem de 19 anos que teve o couro cabeludo e parte do rosto arrancados em um acidente de kart, no Recife, foi transferida do Hospital da Restauração (HR), neste domingo (18), segundo a Secretaria de Saúde. O namorado da jovem, Eduardo Tumajan, afirmou no Instagram que estava embarcando para o estado de São Paulo com Débora Stefanny Dantas de Oliveira, de 19 anos.

“Débora está muito feliz. Se Deus quiser, ela vai conseguir retomar a vida dela. Ela está bem, está sendo acompanhada pelos médicos. Já, já, estamos em São Paulo para começar todo o tratamento que ela precisa”, disse Tumajan em uma postagem na rede social, ao mostrar o avião em que iria embarcar.

A Secretaria de Saúde de Pernambuco confirmou a transferência, feita pela manhã, mas afirmou que não tinha ainda informação de para qual hospital ela foi levada.

Eduardo Tumajan postou em rede social a transferência da namorada — Foto: Reprodução/Instagram

Segundo o cirurgião plástico e especialista em microcirurgia reconstrutiva Marco Maricevich, que está nos Estados Unidos e vem dando apoio à equipe pernambucana desde o acidente, ela foi para o Hospital Especializado de Ribeirão Preto, onde vai ser recebida pela equipe do médico Daniel Lazo. O G1 tenta contato com a unidade de saúde.

Débora estava andando de kart com o namorado em uma pista localizada no estacionamento do Walmart, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, quando o cabelo, que era na altura da cintura, soltou da touca e ficou preso no motor, no domingo (11). A pele foi arrancada desde a altura dos olhos até a nuca dela.

A jovem foi socorrida pelo namorado para o HR. Eduardo disse que pegou “o rosto dela na mão”, colocou em uma sacola e correu para levá-la ao hospital. O reimplante foi feito no atendimento de emergência. Os médicos conseguiram recuperar e reimplantar 80% da área atingida em um primeiro momento.

Após o reimplante, Débora passou por outra cirurgia para a retirada de trombos que surgiram na área do procedimento foi internada na UTI. Na quinta-feira (15), os médicos do Recife apontaram o risco de que o procedimento inicial não funcionar devido ao aparecimento de microtrombos – obstruções nas veias e artérias da área operada. O quadro clínico dela, de acordo com boletim da quinta, é estável.

Centro especializado

Em conversa com o G1, o especialista em microcirurgia reconstrutiva Marco Maricevich, que é professor assistente do serviço de cirurgia plástica do Baylor College of Medicine em Houston, no Texas, nos Estados Unidos, apontou a necessidade de levar Débora a um centro de referência em cirurgia reconstrutiva para que o tratamento avançasse. Ele costuma lidar com casos similares ao dela.

Desde o acidente, o especialista vinha trocado informações com a equipe médica que atendeu a jovem no HR. De acordo com o doutor Marco Maricevich, o centro de Ribeirão Preto é o mais recomendado por ter uma equipe que atende a esses requisitos. Ele afirmou que, como o tratamento é longo, fazê-lo no Brasil oferece mais conforto para a jovem.

Namorado fala sobre recuperação de jovem que teve couro cabeludo arrancado por kart/Foto: G1

O namorado de Débora, Eduardo Tumajan, já havia falado sobre uma possível transferência, embora cogitasse inicialmente que fosse para os Estados Unidos.  Na postagem do Instagram, o microempresário afirmou que a passagem de parentes da jovem para São Paulo estava sendo providenciada por uma empresa.

Em nota, o Walmart informou que a equipe médica e a família de Débora definiram o local de transferência e que “dará toda assistência necessária”.

Trombose

Segundo Marco Maricevich, quando os tecidos e vasos do corpo humano passam por algum tipo de trauma, são criados ambientes propícios a trombos – quando se formam coágulos que obstruem os vasos sanguíneos e, consequentemente, a nutrição dos tecidos. E isso aconteceu com Débora.

Em São Paulo, ainda segundo ele, a equipe médica vai procurar tecidos de outras áreas do corpo de Débora para tentar reconstruir o couro cabeludo. Esse procedimento é feito com técnicas microcirúrgicas vasculares. Depois da primeira cirurgia de restauração, seria possível avaliar se o cabelo de Débora vai voltar a crescer naturalmente.

Segundo ele, caso tenha sobrado um pedaço de couro cabeludo que ainda tenha os folículos, a jovem vai precisar de outras cirurgias para expandir o tecido até cobrir totalmente o crânio.

Investigação

O acidente aconteceu na pista de corrida de kart localizada no estacionamento do Walmart, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Era a primeira vez que Débora andava de kart, segundo a família. A pista, que foi interditada pelo Procon na segunda (12), passou por perícia do Instituto de Criminalística na terça (13). O caso de Débora está sendo investigado pelo delegado Alfredo Jorge, da Delegacia de Boa Viagem. Segundo ele, um Boletim de Ocorrência foi registrado na segunda-feira (12), e, no mesmo dia, foram solicitadas perícias no local e na vítima e imagens de câmeras de segurança.

Pista de kart onde ocorreu o acidente foi periciada pelo Instituto de Criminalística — Foto: Isabela Veríssimo/G1

Na terça-feira (13), foram ouvidos o namorado e a sogra da vítima e um rapaz que ofereceu o carro dele para prestar socorro, segundo o delegado. Na quarta (14), funcionários da empresa compareceram à delegacia para prestar depoimento.

Durante a perícia feita pelo Instituto de Criminalística, foram analisadas as condições da pista e constatadas manchas de sangue no local, segundo o perito Rogério Dantas. A equipe do IC encontrou fios de cabelo e sangue no carrinho.

O advogado da empresa Adrenalina Kart Racing, Carlos Arthur Ferrão Júnior, acompanhou a perícia a distância e apresentou o documento com regras da atividade que é assinado pelos participantes antes de entrarem na pista. Segundo ele, todos os procedimentos de segurança foram tomados.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui