Jovem que vendia banana frita na orla de Juruti (PA) é aprovado em medicina

O estudante passou em 4º lugar em Medicina na Uepa/Foto: Reprodução Facebook

Perseverança, foco e fé, assim o ex-vendedor de bananas fritas Wanderson Thiago Noleto, de 24 anos define a aprovação no curso de Medicina. O sonho de ser tornar médico vem desde a infância, quando o jovem morava numa comunidade no interior de Santarém, no oeste do Pará. Wanderson foi alfabetizado pela mãe, a professora Marinalva Santos que deu aula para o filho do pré-escolar até a quarta-série, quando moravam na região do Lago Grande.

A vida de Wanderson não foi fácil. Ele conta que desde 2014 tentava ser aprovado no vestibular de Medicina. A rotina de estudos era puxada, dedicação total aos estudos, o dinheiro não dava para pagar uma boa escola ou um cursinho preparatório. A trajetória até aprovação foi difícil. “Eu resolvi parar de estudar, dei um tempo. Fiquei deprimido durante um tempo e não quis saber de estudar, mas graças a Deus meus pais me apoiaram”, relembra o estudante.

Para ajudar nas despesas do lar sem atrapalhar de forma efetiva os estudos, Wanderson passou a vender bananas fritas na orla de Juruti. “Foi um tempo difícil, eu vendia banana, picolé, doces. Tudo que vocês podem imaginar e isso não só na orla eu andava a cidade toda, caminhando. Lá (em Juruti) eu conheci pessoas maravilhosas, professores incríveis que ampliaram meus horizontes e isso me motivou bastante para seguir estudando”, conta.

Após o período longe das salas de aula, o estudante resolveu retomar os estudos e dar sequência aos planos de cursar medicina. Em 2014 Wanderson se mudou para o município de Juruti para morar com uma de suas irmãs. Ao chegar lá, o jovem renovou as esperanças e passou a se dedicar integralmente aos estudos com o propósito de concluir o ensino médio.

O estudante passou em 4º lugar em Medicina na Uepa/Foto: Reprodução Facebook

Vestibular

O ano de 2015 foi decisivo para Wanderson, ele destaca que abdicou de várias coisas apenas para estudar e mesmo com todo o empenho e dedicação, o estudante não obteve sucesso e mais uma vez o sonho de cursar Medicina teve que ser adiado. “Frustração, depressão e muita expectativa que a gente sente. Foi isso que passou pela minha mente, eu tinha que ter me dedicado ao máximo e ainda assim não obtive sucesso. Mas eu não desisti, mesmo com a vida cansativa do cursinho”, reitera Wanderson.

O estudante se inscreveu para o vestibular de medicina em Roraima, Enem, e Uepa e por apenas alguns pontos não foi aprovado. O jeito foi voltar para Juruti e continuar vendendo banana frita no porto e tentar mais vez passar no vestibular. O jovem contou com o incentivo de vários colegas para não largar os estudos. E passou a frequentar bibliotecas públicas.

Fonte: ITAGIBÁ EM FOCO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui