Amazonas Destaques Formal & Informal

Legislativo de cabeça erguida em seu novo ciclo de poder

Com algumas exceções, os deputados estaduais do Amazonas, buscam a sua autonomia e independência.
Redação
Escrito por Redação

Apenas uma pequena parte da mídia, entendeu o que presidente da Assembleia Legislativa do Estado (ALEAM), David Almeida, quis dizer ao dar início a um novo ciclo nas relações entre poderes no Amazonas.

Ao defender, corajosamente, as prerrogativas do legislativo, David Almeida adotou uma postura fundamental de equilíbrio democrático, dando a oportunidade da Assembleia ter a importância que precisa no cenário político local.

Em seu primeiro dia no retorno a presidência da ALEAM, Davi Almeida fez um discurso, ao mesmo tempo duro, mas conciliador. Em outras palavras, ele quis dizer que o Poder Legislativo vai voltar a ter força e independência que sempre o nortearam aquela Casa.

Com algumas exceções, os deputados estaduais do Amazonas, buscam a sua autonomia e independência.

A postura do presidente, garantem fontes internas da ALEAM, será diferente de outras épocas em que a Assembléia era praticamente subserviente e, parte de seus deputados, massa de manobra do poder executivo.

Houve casos, por exemplo, em que a bancada de oposição era quase nula ou simplesmente não existia e quem praticamente ditava as regras no Legislativo era o executivo. Convenhamos: que independência é essa?

Essa mudança de postura e busca pela força e independência já está ocorrendo com o bom trabalho já desenvolvido pelos deputados na ALEAM, onde despontam parlamentares como o próprio presidente David Almeida, além de Abdalla Fraxe, Ricardo Nicolau, Alessandra Campello e outros mais experientes como Serafim Corrêa e Sabba Reis. “São parlamentares valorosos que estão ajudando a ter um poder legislativo forte e independente”, afirma o presidente.

Esse novo momento, independente, de qualquer verniz ideológico e partidário, é fundamental para que o Amazonas saia desse estado letárgico e arrasado. Na prática, um Estado de apenas uma cidade, com uma Manaus sufocada e outros 61 municípios agonizando, há anos.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário