Lula vem para tirar o Brasil da pior catástrofe política da história republicana

Joe Biden disse que tiraria os EUA das ‘trevas’. Lula vem para livrar o Brasil da tragédia política, social e econômica – foto: recorte/arquivo

“Confirmada pela CNT, que aponta uma vantagem de 41,3% das intenções de voto contra 26,6% de Bolsonaro, a liderança de Lula nas pesquisas expressa um movimento profundo da sociedade brasileira, que procura uma saída contra a pior catástrofe política em nossa história republicana”, escreve Paulo Moreira Leite

Longe de refletir apoio dos grandes meios de comunicação,  que jamais reconheceram seus méritos como homem público, as pesquisas eleitorais de 2021  traduzem a experiência concreta da maioria da população com os governos que Lula liderou e inspirou.

A estatura que sua candidatura assumiu é a contrapartida  inevitável das tragédias produzidas pelo bolsonarismo, agravadas na pandemia — mas não só.

Ao reconhecer a suspeição de Sérgio Moro, o STF devolveu a Lula  uma dignidade cidadã que a Lava Jato, inutilmente, tentara lhe roubar.

Fruto de uma reviravolta no sistema político cuja velocidade poucos puderam antecipar, a ascensão de Lula explica os movimentos adversários, que conspiram pelo golpismo cada vez mais agressivo de Bolsonaro, o parlamentarismo de bolso na conversa de Luiz Roberto Barroso,  sem falar nos sonhos improvisados de uma candidatura à direita, nova em folha, escondida dos fracassos retumbantes de seus primogênitos ideológicos.

A alta rejeição dos concorrentes, a começar por Bolsonaro, indica que pode haver espaço para mudanças e surpresas auxiliadas por milionários esquemas de propaganda, como outras vezes se viu no passado.

A diferença é que a posição de Lula nas pesquisas não é um dado do momento, mas coerente com a experiência sedimentada na consciência da própria população que irá às urnas.

Trata-se de uma massa de brasileiros e brasileiras identificada com um líder que esteve à frente de quatro vitórias consecutivas em eleições presidenciais. Só não obteve uma provável  quinta  consagração, em 2018, em função da entrada em cena de um general que assustou o Supremo com a ameaça de um golpe militar pelo tuíte.

Seria muita ingenuidade, obviamente, imaginar que os números de hoje asseguram uma vitória por antecipação. A lição número 1 das análises políticas ensina que uma eleição é uma longa disputa política que apenas se traduz pelas urnas.

Ainda assim, não é possível ignorar que, longe de qualquer improvisação, a candidatura de Lula representa uma saída madura diante de uma tragédia sem igual na história brasileira. Líder da disputa, carrega o oxigênio e pode levantar a nação.

Alguma dúvida?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e nem do Correio da Amazônia, é de responsabilidade do colunista Paulo Moreira Leite.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui