Ministério da Saúde ainda insiste no ‘uso da cloroquina’ para tratamento do Covid-19

Geralmente são médicos com patrocínio político e planos de saúde que promovem uso da cloroquina - foto: recorte/arquivo

Nota técnica é assinada pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Helio Angotti, uma liderança da ‘ala negacionista do governo Bolsonaro’.

O Ministério da Saúde divulgou nessa sexta-feira (21) uma nota técnica com uma lista de justificativas para vetar um parecer que rejeita o uso do chamado kit Covid, que considera medicamentos como a hidroxicloroquina – rejeitada mundialmente por estudos científicos para tratar a doença.

Em um trecho do documento, a pasta comandada por Marcelo Queiroga afirma que há efetividade e segurança no uso da substância no tratamento contra a Covid-19.

Em contrapartida, no mesmo trecho, a nota pontua que não existe efetividade e segurança no uso de vacinas contra a Covid-19. O Ministério da Saúde aponta que não há demonstração de efetividade da vacina “em estudos controlados e randomizados” nem de segurança “em estudos experimentais e observacionais adequados”.

No entanto, dados do próprio Ministério da Saúde apontam que o número de mortes, casos e hospitalizações por Covid teve queda drástica após o início da campanha de vacinação no Brasil.

Os ‘negacionistas bolsonarianos’, agora, insistem em não vacinar as crianças – foto: recorte/rede

A manifestação antivacina foi feita em uma tabela dentro do documento assinado pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Helio Angotti, uma liderança da ala negacionista do governo.

A diretora da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) Meiruze de Freitas reagiu à nota e afirmou à Folha que “todas as vacinas autorizadas no Brasil passaram pelos requisitos técnicos mais elevados no campo dos estudos clínicos randomizados (fase I, II e III) e da regulação sanitária”.

“Não é esperado e admissível que a ciência, tecnologia e inovação no Brasil estejam na contramão do mundo”, afirmou a diretora. “É preciso que todos estejam unidos na mesma direção, ou seja, salvar vidas”, completou.

Médicos e médicas cearenses do Coletivo Rebento manifestaram repúdio e alertam a sociedade quanto à insistência do governo federal em impor, como política pública, o uso de medicamentos sem eficácia contra a Covid-19.

“Mesmo com quase dois anos de pandemia e com inúmeras pesquisas que já demonstraram a total ineficácia e os riscos de uso de hidroxicloroquina para pacientes portadores de Covid-19 ou como falsa “medida profilática’, o Governo Federal insiste no tema”, diz trecho do comunicado.

Indiferente à explosão de casos de Covid-19 e de Influenza no País, além da projeções de instituições renomadas que já avaliam risco de retornarmos, em fevereiro, a um patamar diário de 800 a 1.200 óbitos por Covid-19, coma altíssima transmissibilidade da variante Ômicron, o governo voltou a incluir o uso da hidroxicloroquina na “Fundamentação e Decisão Acerca das Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento Farmacológico da Covid-19”, por meio da Nota Técnica Nº 2/2022, da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, do Ministério da Saúde – SCTIE/MS, ressaltam ainda.

Assine o 247apoie por Pixinscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

Para a atriz, tomar vacina era como um estupro:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui