Ministro faz denúncias graves e pede ao STF a ´cabeça´ de autoridades carcerárias do AM

Ministro da Justiça após encontro com Cármen Lúcia/Foto: Divulgação

Muito cordial e educado ao vir ao Amazonas, após o massacre ocorrido no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), o Ministro  da Justiça, Alexandre de Moraes, ao retornar a Brasília, mudou completamente o tom e fez duras críticas ao sistema carcerário do Amazonas.
Na reunião realizada na manhã de hoje, quarta-feira (04) com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e também presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Carmen Lúcia, o ministro disse que a Secretaria de Segurança (SSP) e Administração Penitenciária sabiam da possibilidade de fugas  entre o Natal e Ano Novo, e não fizeram absolutamente nada para evitar a rebelião que resultou na morte de 56 pessoas no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).

O risco de fuga foi detectado, segundo Moraes, pelo próprio serviço de inteligência da Secretaria de Segurança do Amazonas, mas  nada foi feito. Resultado: ocorreu o segundo maior massacre dentro de um  presídio após o Carandiru.

Ministro da Justiça após encontro com Cármen Lúcia/Foto: Divulgação

O ministro disse ainda que a SSP está  omitindo informações a respeito do número correto de presos que fugiram. Segundo ele, fugiram mais de 200 e o secretário Sérgio Fontes insistir em dizer que fugiram entre 120 e 130 presos.

Alexandre Moraes enumerou uma série de erros e omissão que permitiram que as facções criminosas como a FDN e PCC dominassem os presídios o que culminou com o massacre ocorrido no Compaj.

O ministro citou ainda as falhas no serviço de terceirização que não cuidou adequadamente da segurança nos presídios, apesar dos recursos milionários destinados a empresa Umanizzare, responsável pela segurança no Compaj e no Ipat.

A ministra Carmen Lúcia desembarga amanhã, quinta-feira (05) em Manaus e, com base na série de denúncias relatadas pelo ministro da Justiça, deve tomar medidas drásticas junto ao sistema penitenciário do Amazonas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui