Moro entrega o cargo após exoneração do diretor da PF

Foto: Reprodução

O ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) pediu demissão do cargo nesta sexta-feira, 24. O estopim da saída do ex-juiz do governo Bolsonaro foi a exoneração de Maurício Leite Valeixo do cargo de diretor-geral da PF (Polícia Federal).

No discurso de saída, Moro disse que, quando foi convidado por Bolsonaro para o cargo, foi “prometido carta branca para nomear todos os assessores, inclusive da PF.

Sobre a exoneração de Valeixo, Moro disse que “não tinha causa para essa substituição” e que “estava claro que o que estava acontecendo era indicação politica”.

“Está claro que o presidente realmente me quer fora do cargo”, disse Moro sobre seu pedido de demissão.

O ex-ministro da Justiça também alfinetou Bolsonaro pelas interferências na PF e disse que isto não aconteceu no governo do PT. “É certo que o governo da época [Dilma] tinha inúmeros defeitos, aqueles crimes gigantescos de corrupção. Mas foi fundamental a autonomia da PF, essa autonomia foi mantida.

No discurso de saída, Moro alfinetou Bolsonaro pelas interferências na PF e disse que isto não aconteceu no governo do PT. “É certo que o governo da época [Dilma] tinha inúmeros defeitos, aqueles crimes gigantescos de corrupção. Mas foi fundamental a autonomia da PF, essa autonomia foi mantida.

Superministro

Considerado um dos “superministros” de Jair Bolsonaro, Moro viu seu prestigio no Palácio do Planalto declinar nos últimos meses, principalmente com a nomeação de Valeixo.

Um dos motivos de Bolsonaro “fritar” o ex-juiz da Lava-Jato era que a PF pudesse avançar nas investigações contra o seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), suspeito de desviar recursos de seus antigos assessores na Assembleia Legislativa do Rio.

Entenda

Bastidores de Brasília apontam que a decisão do Bolsonaro de exonerar Valeixo, embora ventilada desde a última quinta-feira, não foi informada oficialmente a Moro, nem “a pedido” do diretor-geral, como aparece no ato de exoneração, o que fortalece sua indignação e deve precipitar sua saída do governo, segundo o “Estado”.

O ex-juiz da Lava Jato, surpreendido pela publicação da exoneração nesta madrugada, já que negociava ainda com o presidente sua manutenção no ministério. Sua condição para se manter no governo Bolsonaro era justamente a permanência de Valeixo no comando da PF.

Embora a exoneração tenha sido publicada com a assinatura eletrônica de Moro, além da do presidente, segundo a “Folha”, o ex-juiz da Lava Jato não foi avisado oficialmente.

Fonte: Catraca Livre

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui