MS: Exumado corpo de 3ª mulher que morreu após quimioterapia, em Campo Grande

Polícia procede exumação do corpo da vítima/Foto: TV Morena

Polícia procede exumação do corpo da vítima/Foto: TV Morena
Polícia procede exumação do corpo da vítima/Foto: TV Morena

A Polícia Civil fez nesta segunda-feira (11), em Jardim, distante 217 quilômetros de Campo Grande, a exumação do corpo de Norotilde Greco, que morreu há um mês durante tratamento contra o câncer no setor de oncologia da Santa Casa de Campo Grande. Ela foi a segunda paciente a morrer.

Conforme apurado pela TV Morena, o corpo foi levado para o Instituto Médico e Odontológico Legal (Imol) de Jardim para coleta de amostras para exames laboratoriais. Vão ser retiradas amostras de osso, unha, dente e cabelo.

O corpo de Norotilde foi o terceiro a ser exumado. Carmen Isfran, Norotilde e Maria Glória morreram após sessões de quimioterapia. Não houve necropsia nos corpos e por isso foram feitas as exumações. O objetivo é recolher material para descobrir qual substância pode ter causado a morte das três pacientes.

Medicação

Segundo a Santa Casa, após as mortes, os lotes dos medicamentos cinco fluorouacil e ácido folínico, usados no tratamento das pacientes, foram suspensos no hospital. Uma bioquímica já foi contratada para assumir o serviço de manipulação dos remédios e já começou a trabalhar. No período de suspensão, o serviço foi feito no Hospital de Câncer.

Comissão de investigação

Uma comissão foi criada dentro do hospital para investigar as mortes. O grupo é formado por médicos do hospital e por técnicos da Vigilância Sanitária estadual.

Entre os dias 21 e 25 de julho, quatro técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estiveram na Santa Casa para investigar as mortes.

Contrato suspenso

No dia 25, o presidente da Associação Beneficente de Campo Grande (ABCG), mantenedora da Santa Casa, Wilson Teslenco, anunciou a suspensão do contrato com a empresa responsável pela oncologia na unidade.

O Centro de Oncologia e Hematologia de Mato Grosso do Sul era uma clínica terceirizada que atuava na Santa Casa há 13 anos. O dono é o médico José Maria Ascenço. Com isso, a Santa Casa começou a montar a nova estrutura para atender os pacientes com câncer, sob orientação da Anvisa, e iniciou o processo de contratação dos profissionais que vão trabalhar no setor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui