Musa inaugura exposição inédita de gigantes extintos da Amazônia

Dinossauros da Amazônia - Fotos: Divulgação/Musa

A Amazônia já foi terra de gigantes. Pela primeira vez no Brasil, a exposição PASSADO PRESENTE – DINOS E SAUROS DA AMAZÔNIA do MUSEU DA AMAZÔNIA (MUSA) contará a geo-história e paleontologia da Amazônia de uma forma especial: com a apresentação de fragmentos fósseis inéditos e a reprodução – em tamanho real – dos esqueletos do Purussaurus brasiliensis, um parente dos jacarés que viveu a cerca de 7 milhões de anos atrás e que chegava a 13 metros de comprimento, sendo portanto, o maior crocodiliano do mundo; o dinossauro saurópode chamado Amazonsaurus maranhensis, de cerca de 10 metros de comprimento, que viveu a cerca de 110 milhões de anos, na região amazônica que hoje conhecemos como Maranhão, e da preguiça-gigante Eremotherium laurillardi extinta há cerca de 11 mil anos, a “mais jovem” da exposição.

PASSADO PRESENTE – DINOS E SAUROS DA AMAZÔNIA é dedicada à memória da geógrafa e paleontóloga Rosalie Benchimol, professora da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e é resultado de expedições que começaram a ser realizadas ainda em 2019 em um dos maiores sítios paleontológicos da Amazônia, o Sitio Cajueiro em Boca do Acre (AM), na formação Solimões. “A abundância e a qualidade da preservação dos fósseis localizados nesta área permite ao Museu da Amazônia apresentar uma exposição única, incluindo fósseis de aves, que são pequenos e delicados, dificilmente descobertos”, destaca a paleontóloga Dra. Lucy Gomes de Souza.

Sobre as reproduções

O Amazonsaurus maranhensis exposto no Musa levou cerca de 6 meses para ser confeccionado e montado. A reprodução foi feita em polímero pelo paleo-artista Carlos Scarpini com base no estudo de alguns fragmentos descobertos pelo paleontólogo prof. Ismar Carvalho da UFRJ, no Maranhão.

Para a reprodução do Purussaurus brasiliensis, por se tratar da primeira vez em que tal espécie é reconstruída osso por osso em tamanho real, foram necessários vários meses de trabalho durante os anos de 2020 e 2021, primeiro buscando a fundamentação anatômica para em seguida seus ossos serem reconstruídos da forma mais correta e científica possível. Este foi um trabalho feito por muitas mãos, sendo a parte teórica conduzida pelo prof. Dr. Jonas Souza-Filho (UFAC) e Dra. Lucy Gomes de Souza (MUSA), enquanto que a escultura foi feita por Maria Alice Matusiak e por Roberto Suarez e Raul Perigo de Oliveira (MUSA).

A preguiça-gigante (Eremotherium laurillardi) adulta teria 6 metros de altura do focinho à extremidade da cauda e pesava 5 toneladas. Durante milhões de anos a preguiça-gigante foi um dos maiores animais a habitar a Amazônia, a espécie é semelhante a uma preguiça-real (Choloepus didactylus). Sua réplica é resultado de uma parceria com o paleo-artista Bruno Garzon e a PUC Minas/Museu de Ciências Naturais sob a supervisão do paleontólogo Dr. Castor Cartelle.

Saiba mais

A exposição “PASSADO PRESENTE – DINOS E SAUROS DA AMAZÔNIA” foi financiada pela empresa Bemol, através do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) implementado pela Lei Rouanet.

Por conta das medidas restritivas para controle ao Coronavírus, todas as visitas ao Museu da Amazônia são feitas por agendamento através do email: agendamento@museudaamazonia.org.br

Em breve

Ao longo de todo mês de Abril o MUSEU DA AMAZÔNIA promove uma série de inaugurações relacionadas com a exposição:

Visita guiada paleontológica: será feita pela paleontóloga Dra. Lucy Gomes de Souza (MUSA) e estará disponível exclusivamente por agendamento.

Réplicas com Selo MUSA: Sob a coordenação do paleo-artista Carlos Scarpini o Musa está produzindo reproduções que irão compor o acervo de outros Museus pelo Brasil. Duas já estão encomendadas, pelo Museu da cidade de Uchoa (SP) e pela Casa Don Aquino, de Cuiabá, e vão sair de Manaus com o SELO MUSA.

Paleo-Ateliê no Musa do Largo: Em breve também será inaugurado o espaço onde turistas e moradores de Manaus poderão conhecer mais sobre a confecção das peças feitas pelo paleo-artista Carlos Scarpini no espaço do Musa que fica no Largo São Sebastião.

Fonte para entrevistas

– Filippo Stampanoni Bassi: diretor adjunto do Museu da Amazônia, Chefe da Seção de Arqueologia e Etnologia e Coordenador de Coleções do Museu da Amazônia-MUSA (Manaus, Amazonas, Brasil).

– Lucy Gomes de Souza: Paleontóloga do Museu da Amazônia. Possui mestrado e doutorado em zoologia (enfoque em Paleontologia) pelo Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-doc pelo Museu da Amazônia, mulher trans, trabalha com evolução de crocodilianos e filosofia da ciência.

– Carlos Scarpini: paleo-artista construtor de réplicas, autor do Amazonssauro e chefe do paleo-ateliê do Musa do Largo. Carlos começou sua trajetória em 1996, tem mais de 104 peças expostas, algumas nos sete maiores museus do Brasil.

– Ingo Wahnfried: um dos curadores da exposição, geólogo, doutor pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui