Número de prescrição de óculos para crianças triplicou no país

Foto: Reprodução

A Academia Americana de Oftalmologia (AAO) estimou que em 2050 metade da população mundial terá miopia, distúrbio visual cuja principal característica é a dificuldade de ver de longe.

A projeção é que no mesmo ano estejamos vivendo uma epidemia do distúrbio. Um dos principais motivos para isso é o uso excessivo de telas digitais, como tablets, celulares, videogames e televisão por crianças e adolescentes.

As principais vítimas têm sido os jovens. Atualmente, para se ter ideia, o número de prescrições de óculos dos oftalmologistas no Brasil triplicou para crianças de 6 a 8 anos, comparado há cinco anos.

Estima-se que 20% dos jovens em idade escolar hoje são diagnosticados com doenças visuais. Fazem parte deste grupo as chamadas condições de erro de refração, ou seja, quando o olho não permite uma refração apropriada da luz e a imagem que o paciente enxerga é turva, embaçada ou opaca.

São elas: miopia, a hipermetropia, o astigmatismo e a presbiopia (ou vista cansada). A miopia, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) ganha de longe. A condição foi eleita pela OMS como um dos problemas de saúde pública que mais crescem no mundo. Até os cinco anos, por exemplo, o número de crianças que sofre de miopia é de cerca de 1%. Aos 10 anos, a porcentagem sobe para 8% e aos 15, já chega aos 15%.

O Hospital de Olhos, em São Paulo, observou um aumento de 23% nos diagnósticos de miopia em crianças de 0 a 12 anos no primeiro semestre de 2021, comparado com o mesmo período deste ano — de 421 pacientes para 538 nos primeiros seis meses de 2022.

— É importante que os pais busquem um oftalmologista logo no primeiro ano de vida da criança e leve-o com frequência ao especialista, pelo menos uma vez ao ano. Nessa fase eles estão em pleno desenvolvimento. Se não tratar, os problemas podem ir aumentando exponencialmente— explica a oftalmologista Helena Maria Costa Oliveira, do Hospital de Olhos.

O cenário torna-se ainda mais delicado frente ao fato de que crianças com problemas de visão têm risco maior de desenvolver depressão e ansiedade. De acordo com os especialistas, a saúde mental delas é afetada porque tendem a ficar mais isoladas socialmente, fazer menos atividades físicas e decair no rendimento escolar por não enxergarem adequadamente.

Como evitar o cenário

A Sociedade Brasileira Oftalmologia Pediátrica (SBOP) junto com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) orienta os pais a estimularem os filhos a olhar mais para o horizonte. Isso pode ser feito de forma lúdica, por meio de brincadeiras ao livre, onde tenham que visualizar objetos distantes.

A exposição de telas deve ser evitada para crianças menores de 2 anos. Até os 5 anos, deve-se limitar o tempo ao máximo de uma hora por dia e sempre com a supervisão de pais e responsáveis. Para crianças com idade entre 6 e 10 anos, o tempo limite deve ser de duas horas por dia e adolescentes até três horas.

— Toda vez que nós olhamos de perto para algo, seja um tablet, computador, ou até ler um livro, há a contração do músculo ciliar, também chamado de músculo do foco. Um dos fatores da miopia é a contração exagerada desse músculo.

Ao olhar para longe, para o horizonte, ou até mesmo para uma distância considerável saudável de seis metros, esse músculo fica relaxado. Por isso, quanto mais distante olhar, menores são as chances de desenvolver miopia — explica Francisco Max Damico, oftamologista e professor livre docente da faculdade de medicina da USP.

O médico, entretanto, afirma que crianças com disposição genética para ter a miopia provavelmente terá a doença visual, o que pode ser feito neste caso é impedir que o grau da condição aumente por questões comportamentais.

Crianças menores ainda não conseguem entender e explicar para os pais que não estão enxergando direito, ou que a visão está embaçada, e por isso alguns sinais na observação dos filhos é de extrema importância. Desviar o olhar com frequência, dores de cabeça constante, se aproximar demais da televisão e fazer caretas quando estão assistindo um desenho, estão entre os possíveis sinais.

Quanto mais cedo for o diagnóstico da miopia, melhor

— Depois dos 13 anos, a visão já está desenvolvida, logo, se ela começar o tratamento para a doença visual nesta idade, as chances de ter uma visão saudável em anos futuros são menores — diz Marina Roizenblatt, oftalmologista especialista em retina cirúrgica e médica voluntária do Hospital São Paulo.

— Para evitar o aumento da doença, é importante procurar equilibrar atividades que envolvam visão de perto e visão de longe. Estimular as crianças a estarem ao ar livre, por exemplo. Em alguns colégios, há intervalos ao longo dia, as crianças saem para brincar ao ar livre para olhar mais para distâncias mais longes.

Essas atividades exageradas com celular e computador estão aumentando as taxas de miopia, porque as pessoas ficam utilizando a todo o tempo a visão mais para perto. Mas a grande prevenção sempre é o exame ocular — diz o oftalmologista Almir Ghiaroni, coordenador das sessões de oftalmologia do Centro de Estudos do Hospital Copa Star, no Rio de Janeiro, e autor do livro “Sem luta não se vive”.

Tratamentos

O tratamento mais comum para crianças continua sendo a prescrição dos óculos com a lente específica para cada grau de condição, uma vez que, com exceção de casos raros e de extrema gravidade, os oftalmologistas não costumam operar crianças, e não é indicado para certas faixas etárias o uso de lentes de contato, por ser um objeto que precisa de técnica para manusear, higienização frequente e que pode machucar os olhos da criança se for feito de forma errada.

Em alguns casos específicos, o oftalmologista pode optar por prescrever um colírio de atropina a 0,01%, estudos mostram que a atropina pode reduzir em até 50% a progressão da miopia, apesar de ter alguns efeitos colaterais como a perda da visão de detalhes por causa da dilatação da pupila, aversão à luz e ardência nos olhos. Por isso o ideal é instilar o medicamento antes de ir dormir.

Abrafarma

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui