Pará é 5º colocado em mortes no parto no Brasil


A redução do índice de mortalidade materna ainda é um desafio para o Brasil, que está longe de alcançar uma meta que faz parte de um compromisso internacional firmado em 2000.Em tratado assinado com a Organização das Nações Unidas (ONU), o governo brasileiro se comprometeu a reduzir até 2015 o índice de mortalidade de grávidas para 30 óbitos a cada 100 mil nascidos vivos.

 
A meta não foi alcançada e, somente de janeiro a junho deste ano, o país já contabiliza a média de 62 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos. Esse índice, que só cresce a cada ano, é hoje três vezes maior que o da Europa.

Nesse cenário, o Pará não foge à regra. Ocupa o quinto lugar no ranking nacional de estados com o maior número de grávidas que perdem a vida durante a gestação, segundo os dados do Sistema Único de Saúde (SUS), e amarga também um dos piores quadros de risco à maternidade: a média é de 55 mães mortas para cada 100 mil nascimentos, segundo as estimativas mais atualizadas, referentes a 2013.

No último relatório divulgado pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), em 2013, o Pará concentrou 120 casos de mortalidade materna, ficando abaixo somente de estados de maior densidade populacional como São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais. Em 2012, o número de óbitos foi de 94, nove a mais do que no ano anterior.

PODE SER PIOR

O mais preocupante é o fato de que, em um Estado como o Pará, formado por áreas indígenas, assentamentos rurais, terras quilombolas e ilhas, estima-se que o número de óbitos maternos possa ser bem maior do que os dados oficiais divulgados.

E a curva ascendente das mortes registradas entre 2011 e 2013 revela uma política pública deficiente, que tem na falta de atendimento à saúde a principal causa dessa mortalidade. É o que avalia o presidente da Associação Paraense de Ginecologia e Obstetrícia (APGO), Ricardo Quintairos.

Para ele, o principal problema é a falta da assistência pré-natal – que no SUS é quase nula e no sistema de saúde privado enfrenta resistências da área médica, devido aos reduzidos valores repassados pelos planos de saúde aos profissionais que prestam atendimento.

Vale lembrar: o acompanhamento pré-natal inclui toda uma programação, que inicia no primeiro momento da gravidez até o pós-parto. “O grande problema é que há muitas grávidas que chegam aos sete e até oito meses de gestação sem nunca ter ido ao posto de saúde”, questiona Ricardo Quintairos.

(Diário do Pará)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui