PF diz que prendeu 18 pessoas em nova etapa da Operação Lava Jato

PF cumpre mandados, na operação lava jato/Foto: reprodução

PF cumpre mandados, na operação lava jato/Foto: reprodução
PF cumpre mandados, na operação lava jato/Foto: reprodução

A Polícia Federal informou que até as 18h20 de hoje, sexta-feira (14), 18 pessoas tinham sido presas na nova etapa da Operação Lava Jato, que envolve a Petrobras e investiga um esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado cerca de R$ 10 bilhões. Segundo comunicado, 14 pessoas foram presas, temporariamente, e outras quatro, preventivamente.

Na manhã de hoje, sexta, a Polícia Federal deflagrou a sétima fase da operação e cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão no Paraná, em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais, em Pernambuco e no Distrito Federal.

Conforme balanço divulgado pela PF, além das 18 prisões, foram cumpridos 49 mandados de busca e apreensão. Além disso, foram expedidos nove mandados de condução coercitiva e cumpridos, seis.

A Petrobras está no centro das investigações da Lava Jato, desencadeada em março para desmontar um suposto esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões, segundo a Polícia Federal.

Entre os presos pela PF, está o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e três presidentes de empreiteiras – José Aldemário Pinheiro Filho (OAS); Ildefonso Collares Filho (Queiroz Galvão); Ricardo Ribeiro Pessoa (UTC); .

Indicado para o cargo pelo PT, Duque foi preso em casa, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, e conduzido para a superintendência local da Polícia Federal. Em depoimento à PF e ao Ministério Público no mês passado, o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, que fez acordo de delação premiada e atualmente cumpre prisão domiciliar, disse ter conhecimento de irregularidades praticadas na Diretoria de Serviços, na época em que foi comandada por Duque.

Nota divulgada pela assessoria de Renato Duque informou que o ex-diretor foi preso temporariamente e, segundo o texto, não há “notícia de uma ação penal ajuizada contra ele”. “Os advogados desconhecem qualquer acusação. […] A partir do momento em que tomarem ciência do motivo da prisão temporária, realizada para investigações, os advogados adotarão as medidas cabíveis para restabelecer a legalidade”, diz a nota.

Hoje, sexta, líderes de partidos de oposição no Congresso anunciaram que vão pressionar Duque a depor na CPI mista da Petrobras. O senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado à Presidência, disse que “as ações desse governo” causam “marca perversa na estatal”. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse sentir “vergonha” do que ocorre naPetrobras. O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), declarou que o partido não vai “acobertar erros” de nenhum investigado. O G1 procurou a Casa Civil, a Secretaria de Relações Institucionais, a Secretaria-Geral da Presidência e o Ministério de Minas e Energia, mas nenhum órgão quis se manifestar sobre o assunto.

Os presos

Além de Renato Duque e Jayme Oliveira Filho, que seria ligado ao doleiro Alberto Youssef, os demais 16 presos são vinculados a empreiteiras que mantêm contratos com a Petrobras:

OAS – José Aldemário Pinheiro Filho, presidente; Mateus Coutinho de Sá Oliveira, vice-presidente do conselho; Alexandre Portela Barbosa; Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor; José Ricardo Nogueira.

Engevix – Gerson de Mello Almada, vice-presidente; Carlos Eduardo Strauch Albero, diretor; Newton Prado Júnior, diretor;

Queiroz Galvão – Ildefonso Collares Filho, diretor-presidente; Othon Zanoide de Moraes Filho, diretor

UTC – Ricardo Ribeiro Pessoa, presidente; Ednaldo Alves da Silva; Walmir Pinheiro Santana; Carlos Alberto Costa Silva

IESA – Otto Sparenberg, diretor

Galvão Engenharia – Erton Medeiros Fonseca

Um avião da Polícia Federal decolou de Brasília nesta sexta para recolher os suspeitos nos estados e levá-los para a superintendência da PF em Curitiba, onde está sendo centralizada a operação.

Os presos
Além de Renato Duque e Jayme Oliveira Filho, que seria ligado ao doleiro Alberto Youssef, os demais 16 presos são vinculados a empreiteiras que mantêm contratos com a Petrobras:

OAS – José Aldemário Pinheiro Filho, presidente; Mateus Coutinho de Sá Oliveira, vice-presidente do conselho; Alexandre Portela Barbosa; Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor; José Ricardo Nogueira.

Engevix – Gerson de Mello Almada, vice-presidente; Carlos Eduardo Strauch Albero, diretor; Newton Prado Júnior, diretor;

Queiroz Galvão – Ildefonso Collares Filho, diretor-presidente; Othon Zanoide de Moraes Filho, diretor

UTC – Ricardo Ribeiro Pessoa, presidente; Ednaldo Alves da Silva; Walmir Pinheiro Santana; Carlos Alberto Costa Silva

IESA – Otto Sparenberg, diretor

Galvão Engenharia – Erton Medeiros Fonseca

Um avião da Polícia Federal decolou de Brasília nesta sexta para recolher os suspeitos nos estados e levá-los para a superintendência da PF em Curitiba, onde está sendo centralizada a operação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui