PT Municipal-Manaus não aceita escolha ‘anti-estatutária’ de José Ricardo

Valdemir Santana: diz que o sub-emprego domina o Polo de Duas Rodas - foto: divulgação

Não bastou o deputado federal José Ricardo vencer por 64 a 16 o deputado Sinésio Campos, hoje (15), na reunião do diretório nacional do PT, a pré-candidato à Prefeitura de Manaus nas próximas eleições municipais pelo Partido dos Trabalhadores.

Ao saber do resultado, o presidente municipal Valdemir Santana disse que isso não foi uma decisão, mas ‘uma intervenção’ da nacional nas decisões do diretório municipal, que se baseou pelo estatuto e que resultou na escolha do nome do deputado Sinésio Campos a pré-candidato legítimo da legenda.

Reação imediata

A decisão da nacional de credenciar o deputado José Ricardo, além de ‘intervenção’ foi uma quebra do Estatuto e a ‘volta atrás da direção nacional’. “Ninguém fez reunião e escolha de pré-candidato sem a concordância da nacional. Por que voltaram atrás”, questiona Valdemir.

Santana disse que o Diretório municipal se baseou pelo Estatuto e pela concordância da direção nacional para convocar e escolher o pré-candidato da legenda, no caso, o deputado estadual Sinésio Campos, por maioria.

O problema foi que o deputado José Ricardo não aceitou o resultado e “foi chorar lá com a presidente Gleisi Hoffmann, que penalizada, resolveu voltar com a decisão”, pontuou.

Judicialização

A escolha de José Ricardo pode não ser definitiva. Pode ter briga feia pela frente. Vai depender do entendimento que os diretorianos municipais vão dar ao caso.

“Não é normal acontecer, mas diante da quebra da decisão Estatutária e da quebra de reconhecimento do resultado da reunião do dia 27 de maio, o Diretório municipal pode optar pela judicialização da escolha do pré-candidato”, destaca o tesoureiro Estadual do PT, Thiago Medeiros.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui