Remo Internacional: Cambridge x Oxford x Brasil – por Dudu Monteiro de Paula

Fotos: Reprodução/Internet

Olá, Salve, Salve!

Em tempos de cheia histórica no Amazonas e a superação da marca recorde de 29 metros e 97 centímetros do nível do rio, nada melhor que escrever sobre um acontecimento esportivo no nosso Rio Negro.

No ano de 1997, foi repetido nas águas do Rio Negro, a mais antiga tradição da modalidade de remo no mundo: “THE BOAT RACE”.

Há mais de 141 anos, desde a criação da modalidade de remo, as Universidades de CAMBRIDGE E OXFORD, com suas equipes de 8 COM, entram no rio TÂMISA em Londres, para uma prova de remo, por seis mil oitocentos e trinta e oito metros.

Desta vez não foi diferente, porém, a ambientação da prova seria no Amazonas, junto com a Seleção Brasileira de Remo para um desafio inédito, inclusive, em relação a distância: 12 quilômetros, um dos maiores percursos da modalidade.

As três equipes estavam pela primeira vez na História, em um rio do Amazonas. Um desafio nas águas do nosso exuberante Rio Negro, que banha a frente de Manaus.

A largada foi propositadamente feita em frente ao “ROADWAY”: O Porto de Manaus, que foi projetado por um Engenheiro Escocês e concluído em 1902.

O Porto de Manaus é um dos maiores do gênero no mundo, com cais flutuante e a capacidade de, em boas condições técnicas, subir até 14 metros em conformidade com a subida e descida das águas do Rio Negro. Com esta cheia recorde de 2021, estamos tendo a oportunidade de observar esta capacidade do Porto.

Era um dia de festa. Desta forma, centenas de embarcações de todos os tamanhos, montaram quase que uma raia para os barcos e seus Atletas remadores.

As condições para a realização da prova eram totalmente adversas. A saber: a intensa movimentação nas águas, provocou o que aqui chamamos: um enorme banzeiro; além disso, 36 graus de temperatura e; oitenta e quatro por cento de umidade relativa do ar.

Se para os brasileiros era assustador, conforme o Capitão da Seleção Carlos Alexandre “Periquito”: – Seguramente os barcos vão estar no limite de afundar, estamos assustados!”.

Imagina para os Ingleses, que estavam acostumados com o pequeno e pacato Rio Tâmisa. Certamente, para eles, o Rio Negro era um verdadeiro rio/mar.

Desde a largada, os brasileiros arriscaram mais e conseguiram chegar em primeiro lugar, com a embarcação afundando imediatamente ao ultrapassar a linha de chegada.

Os Ingleses vieram “na manha” para não afundar e não afundaram.

O público na Ponta Negra era gigante e como quase tudo à época, terminou com uma linda “Festa de Boi Bumbá Amazônico” e muita toada.

Mas, o grande presenteado foi o Remo do Amazonas. Em uma atitude nobilíssima e enorme gentileza, as Universidades Inglesas de Cambridge e Oxford, deixaram seus respectivos barcos, com a mais alta qualidade tecnológica do momento, que valiam alguns MILHARES DE DÓLARES.

Nem vou perguntar onde estão! Estariam ainda utilizáveis ou não?

Por hoje é só! Semana que vem tem mais! Fuuuiiiiii!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui