TSE adia julgamento da chapa Dilma-Temer e dilata prazo para defesa

Relator Hernam Benjamim defende prazo maior pra defesa/Foto: Divulgação

Com um atraso de 30 minutos, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deu início, às 09h30 de hoje, terça-feira (04), à sessão que julgaria a cassação da chapa de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) , vencedora das eleições presidenciais de 2014. O julgamento, que é considerado o mais importante da história do tribunal, no entanto, foi adiado.
Isso porque, no início da sessão, Flávio Caetano, advogado de Dilma, pediu suspensão da sessão, pois, segundo ele, o prazo de cinco dias para a defesa não foi cumprido. Foram dados apenas dois dias para a defesa de Dilma e Temer .

Após uma discussão de mais de 1h30, todos os ministros votaram a favor do prolongamento do prazo. Foi-se decidido, enfim, que o prazo será prolongado em cinco dias.

Relator Hernam Benjamim defende prazo maior pra defesa/Foto: Divulgação

O processo foi movido em dezembro de 2014 – cerca de dois meses após a derrota do candidato tucano, Aécio Neves – pelo PSDB e pela Coligação Muda Brasil, que acusam a campanha da chapa de Dilma Rousseff e de Michel Temer de ter praticado abuso de poder político e econômico.

Apesar da estrutura montada pelo TSE acomodar cerca de 600 pessoas que quisessem acompanhar o julgamento, menos de um terço das cadeiras do tribunal estiveram ocupadas na manhã desta terça.
Mantega, Santana e Mônica

Decidido o prolongamento do prazo da defesa, os ministros passaram a discutir a respeito de outra questão de ordem: se o ex-ministro Guido Mantega, marqueteiros de campanha e partidos serão ou não ouvidos no julgamento.

Nicolao Dino, vice-procurador eleitoral, disse que concorda com a oitiva de Mantega e pediu que os marqueteiros da campanha eleitoral, João Santana e Mônica Moura, também fossem ouvidos.

O relator Herman Benjamin afirmou que é preciso evitar a “procrastinação” do processo. “Não podemos decidir ouvir Adão e Eva e provavelmente a serpente”.

Benjamin, porém, afirmou que acolhe João Santana, Monica Moura e André Santana como testemunhas do juízo, e acolheu a oitiva do ex-ministro. No caso dos partidos políticos, o relator argumentou que eles já disseram por escrito o que deveriam dizer e não deveriam ser ouvidos.

No entanto, se negou a tomar uma decisão “monocrática” e pediu para todos os ministros votarem. No final, sua decisão foi a mesma do tribunal.
Cassação

No caso da cassação da chapa, o TSE deverá decidir se eleições indiretas serão convocadas pelo Congresso. Ao decidir eventualmente pela cassação, o presidente poderá continuar com os direitos políticos, ao contrário da petista, que ficará inelegível por oito anos, por ser a mandatária da chapa de Dilma e Temer.

No dia 26 de outubro de 2014, a petista Dilma Vana Rousseff foi reeleita para a Presidência da República ao derrotar o candidato do PSDB, Aécio Neves, no segundo turno.

As contas da campanha foram aprovadas pelo TSE em dezembro daquele ano, por unanimidade, embora com ressalvas.(iG)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui