Unidos da Tijuca faz desfile sobre pão e levanta Sapucaí

Foto: Divulgação

A Unidos da Tijuca, que na última década foi tricampeã do Grupo Especial, encerrou o primeiro dia do Carnaval do Rio de Janeiro falando sobre pão.

Com o samba-enredo “Cada macaco no seu galho. Ó, meu Pai, me dê o pão que eu não morro de fome”, a escola usou o alimento mais popular do planeta como fio condutor da trajetória da humanidade.

A Tijuca, que ficou em sétimo lugar no Carnaval do ano passado, passou a mensagem do amor ao próximo e colocou o dedo na ferida sobre a situação atual do Brasil, em que muitas pessoas não têm o que comer e não conseguem colocar o pão nosso de cada dia na mesa da família.

A queda de recursos financeiros atingiu diretamente a escola, mas os carnavalescos Laíla, Annik Salmon, Hélcio Paim, Marcus Paulo e Fran Sérgio usaram da criatividade para surpreender o público.

CHOVENDO PÃO

Foto: Divulgação

Representando uma passagem bíblica do livro “Êxodo”, a comissão de frente fez chover pão na avenida. Na coreografia, Deus surgiu em uma plataforma alta e distribuiu pão aos hebreus. A ideia era contar a origem do alimento, segundo a passagem religiosa. Outro momento retirado da bíblia foi a Santa Ceia, em que Jesus apareceu ao lado de seus apóstolos dividindo pão.

AULA DE HISTÓRIA

Desde o Egito Antigo, o pão é um dos principais alimentos da sociedade e serviu democraticamente tanto para servos quanto para a elite. O pão já foi salário e até moeda de troca. Os comerciantes fenícios levaram o alimento para a Europa e apenas na Grécia Antiga mais de 70 receitas com pão foram catalogadas. Já a política do “pão e circo”, do Império Romano, também foi lembrada no desfile, com belas construções mostrando o contraste das classes sociais. Situação parecida aconteceu durante a encenação da revolução francesa, em que os mais pobres passavam fome — e não tinham brioche. A Tijuca contou a história com competência e foi interessante ver na avenida como Laíla, Annik Salmon, Hélcio Paim, Marcus Paulo e Fran Sérgio desenvolveram o tema principal.

BRASIL

Os portugueses trouxeram ao Brasil o pão de trigo. Os índios faziam o mesmo alimento com mandioca. A política do “pau, pão e pano” foi citada também, quando os escravos recebiam o alimento em quantidade mínima para sobrevivência. O gigantesco carro “O Pão que o Diabo Amassou” trouxe um navio negreiro para o desfile, marcando o quanto os escravos sofreram, com coreografias violentas sobre o que acontecia dentro dos porões das embarcações. De forma simples, a Tijuca conseguiu ensinar didaticamente e de forma divertida a importância do alimento ao brasileiro.

CONFIRA A LETRA DO SAMBA-ENREDO

“Cada macaco no seu galho. Ó, meu Pai, me dê o pão que eu não morro de fome”
Hoje a Tijuca pede em oração
Veste a fantasia pra fazer o bem
Multiplica o sagrado pão
Amém (amém)
Meu filho
Como é lindo o amanhecer
Reflete o sol, a criação
Um bom dia a renascer
Pelos olhos do pavão
Sou a fé na vida
Esperança da massa
Aquele que na dor te abraça
Sou eu, a verdade pra quem pede luz
Carregando a sua cruz
O alimento em comunhão
Princípio da salvação
Ouço chamar meu nome
Ouço um clamor de prece
Choro ao te ver com fome
Sou o cordeiro que a alma fortalece
Só existe um caminho (por favor)
Cada um faz seu destino (meu senhor)
As migalhas do poder que o diabo amassou
Estão dentro de você
As mãos unidas vem pedindo o perdão
Gente sofrida com a paz no coração
Dividem o pouco que tem pra comer
Ó meu pai o seu amor é a receita
Iluminai, que não me falte o pão na mesa
Derrame igualdade, prosperidade
As bênçãos do céu
Se Deus é por nós, escute a voz
Que vem do meu Borel

Fonte: UOL

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui