Agentes do COMPAJ são afastados por envolvimento em fuga de detentos

Coronel Louismar Bonates/Foto: Nathalie Brasil
Coronel Louismar Bonates/Foto: Nathalie Brasil
Coronel Louismar Bonates/Foto: Nathalie Brasil

O secretário estadual de Justiça, coronel Louismar Bonates, apresentou hoje, sexta-feira (15), o resultado do procedimento investigatório aberto após fuga de seis detentos, no dia 26 de julho, do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj),  investigação que resultou no afastamento de 28 funcionários da empresa Humanizar, responsável pelo serviço de segurança do presídio. A Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejus), também, reforçou a segurança de unidades prisionais da capital, por meio de monitoramento eletrônico.

De acordo com Bonates, logo após a fuga dos detentos foi aberto um procedimento investigatório disciplinar para apurar a participação dos funcionários da Humanizar que estavam de plantão no dia 26 de julho. Dos 28 afastados, 26 são agentes de disciplina, um é supervisor e um é gerente operacional. “Nós solicitamos a empresa o afastamento imediato desses agentes, que eram responsáveis pela condução, pela tranca e pela chamada dos internos dos pavilhões 1, 2, 3 e 5”, explicou o secretário.

Como parte dos procedimentos investigatórios, a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) e a Polícia Militar, também, instauraram processos para apurar se houve falha nas guaritas do Compaj. O secretário da Sejus informou, ainda, que outro resultado foi o envio do procedimento investigatório ao delegado geral da Polícia Civil, Josué Rocha, para a abertura de um inquérito policial para apurar a facilitação da fuga e a suspeita de formação de quadrilha por parte dos envolvidos.

No dia 26 de julho de 2014, fugiram do Compaj os internos Gelson Lima Carnaúba, Adalberto Salomão Guedes da Silva, Geremias Ribeiro da Silva, Jefferson Oliveira da Silva, Kaio Wellington Cardoso e Vagner Castro. O detento Jefferson Oliveira da Silva já foi recapturado. O coronel fez questão de salientar que essa fuga foi o único incidente grave este ano no sistema penitenciário do Amazonas, o que comprova que a segurança do sistema, com a terceirização do serviço, é eficiente.

Bonates, também, informou que a Humanizar será multada, conforme estabelecido no contrato firmado com o Governo do Estado, por conta da negligência no serviço prestado. O quadro de agentes de disciplina do Compaj já foi recomposto e, segundo Bonates, a Sejus está realizando reuniões com os diretores das unidades prisionais da capital para que sejam revistas as medidas operacionais, com o objetivo de aumentar o rigor nas fiscalizações dos presídios. “Nós estamos realizando estudos técnicos para a ampliação de tecnologia em segurança, que ajude nas fiscalizações. Nós vamos, em conjunto com a empresa, instalar mais câmeras de segurança nessas unidades”.

Monitoramento – O secretário destacou que o Amazonas tem hoje o primeiro Centro de Monitoramento do Sistema Penitenciário do país, com capacidade para monitorar as dez unidades prisionais da capital, por meio de cerca de 500 câmeras de segurança. A Central, operando em fase piloto, prevê monitoramento 24 horas por dia de todas as unidades por servidores da Sejus. “Com essa tecnologia, nosso trabalho tem sido facilitado e a nossa ideia é, futuramente, ampliar esse sistema para o interior do Estado também”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui