A Amazônia é um portão de novos vírus, afirma pesquisador

Foto: Reprodução

“A Amazônia é um potão de vírus”, afirma o cientista David Lapola. Segundo ele, o desmatamento gera o desequilíbrio ecológico e altera as cadeias, facilitando a propagação do coronavírus.

Formado em Ecologia, Lapola lembra que em décadas anteriores o mundo já sofreu com o HIV, o ebola e a dengue. “Foram todos vírus que acabaram ou surgindo ou se disseminando de uma maneira muito grande a partir de desequilíbrios ecológicos”.

Lapola diz que essa transmissão ocorre com mais frequência no sul da Ásia e na África, onde se encontram majoritariamente certas famílias de morcegos, mas que a biodiversidade da Amazônia poderia caracterizar a região como “o maior repositório de coronavírus do mundo”. “A culpa não é dos morcegos, não é para sair matando morcego por ali. É mais uma entre ‘n’ outras razões para não fazermos esse uso irracional que agora está aumentando ainda mais da Amazônia, a nossa maior floresta”, ressalta.

“Quando você gera esse desequilíbrio ecológico, você altera essas cadeias e nessa hora pode acontecer esse pulo do vírus [dos animais para os humanos]”, explica, em entrevista à AFP.

Lapola adverte que a conjuntura atual, com o avanço do coronavírus, que já provocou 12.400 mortes no Brasil, dificulta ainda mais a vigilância da floresta tropical, já ameaçada. Nos primeiros quatro meses de 2020 foram desmatados 1.202 km2 de floresta, segundo dados de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui