Estado realiza estudo de impacto da Covid-19 na produção cultural

Largo de São Sebastião - Foto: Michael Dantas

O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, realizará um estudo sobre o impacto da Covid-19 na produção cultural e criativa no estado do Amazonas, a partir da orientação de isolamento social como medida de combate à pandemia.

A coleta de dados será realizada por meio de questionários on-line disponibilizados no Portal da Cultura (https://cultura.am.gov.br) e o estudo abrangerá três fases, de acordo com o secretário de Cultura e Economia Criativa, Marcos Apolo Muniz. O primeiro questionário já está disponível.

“A primeira fase será destinada aos artistas e profissionais da cultura, de forma a tentar prospectar a realidade deles durante essa pandemia. A segunda fase será direcionada aos órgãos e gestores públicos estaduais e municipais, para saber como foram afetados. E a terceira fase será destinada àqueles profissionais que fazem parte da cadeia criativa, mas que não estão ligados diretamente ao fazer da arte. Desta forma teremos uma visão mais clara sobre o que está acontecendo na cadeia da cultura e economia criativa”, ressalta o secretário.

O economista e artista plástico Turenko Beça, assessor de Economia Criativa da Secretaria, coordenará a pesquisa. Ele explica que o primeiro questionário, destinado aos artistas, abordará questões como atividade praticada, frequência destas atividades, estimativa da perda de renda por não poder trabalhar, os espaços onde se apresentavam, a categoria e linguagem artística, entre outros fatores.

Após a análise dos resultados, segundo Turenko, os dados obtidos poderão auxiliar na busca por decisões mais eficientes para enfrentar a crise na cadeia da economia e cultura criativa. “Precisamos de um levantamento e análise de dados para estimar os panoramas e os cenários possíveis do impacto da Covid-19. Ainda há muita incerteza sobre este período e as consequências que produzirá, portanto se faz necessário conduzir esta pesquisa”, ressalta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui