“Japonês da Federal” diz que fama gerou inveja e ciúmes de colegas da PF

O policial federal Newton Ishii, 60 anos, ficou conhecido em todo o país como o “Japonês da Federal” após aparecer em fotos conduzindo investigados da Operação Lava Jato à carceragem em Curitiba. “É o meu trabalho. Tem colegas que participaram até de mais prisões que eu, mas virei o rosto da Lava Jato”, diz ele em entrevista publicada neste domingo (28) no jornal “Correio Braziliense”.

Na entrevista, o agente conta que se surpreendeu com a fama repentina.

Requisitado para selfies por onde passa e tema de marchinha no Carnaval de 2016 e boneco do desfile de Olinda (PE), o “Japonês da Federal! diz que a melhor parte de ter se tornado conhecido é o reconhecimento de crianças e adolescentes. “Tem o lado bom, do reconhecimento. O lado das crianças e adolescentes é muito legal. Eles querem tirar foto, conversar e estudar para mais tarde fazer concurso para a Polícia Federal. Estamos dando um bom exemplo”, declarou.

Sobre o lado ruim, Ishii revela que ter se tornado famoso gerou ciúme dos colegas da PF. “Tem muita inveja em cima disso, ciúmes de colegas. Em um momento isso chegou a me desanimar. É normal do ser humano sentir ciúmes, inveja, mas quando é demais e começam a atacar o lado pessoal, fica muito chato”, declara, sem citar nomes de colegas que teriam sentido inveja. “Se a gente está fazendo o bem para a sociedade, por que esse tipo de coisa?”, questiona.

Na entrevista, o agente, que está atualmente em férias da PF, conta que já perdeu um filho e que pretende se aposentar em maio para se dedicar à filha, Jordana. “Ela não gosta [da fama do paí]. Fica assustada e temerosa.

Antes, ela saía com as amigas; agora não mais. Tenho muito medo de alguém fazer algo a ela para me atingir”, diz o agente da PF.

Sobre a prisão em 2003 por acusação de contrabando, o agente se diz inocente. “Como me indiciaram por facilitação de contrabando se não tinha empresa, apreensão de mercadoria, nada?” Ishii foi preso e condenado a pagar cestas básicas, mas recorreu. “Como é que eu vou pagar cesta básica por uma coisa que não fiz? Os processos administrativos foram arquivados por falta de provas.”

(ac24horas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui