Mineração ilegal na Amazônia cresceu 80%, segundo Greenpeace

Foto: Reprodução

O desmatamento para mineração ilegal em áreas protegidas na Amazônia teve uma alta de 80%. Já nas reservas indígenas esse aumento foi de 13%. A denúncia é do Greenpeace e corresponde aos quatro primeiros meses deste ano.
De acordo com o Greenpeace, entre janeiro e abril 879,8 hectares de áreas de conservação foram desmatados. Para fins de mineração ilegal, 80,62% a mais do que no mesmo período do ano passado.
Nas áreas indígenas, a área desmatada para esse fim foi de 434,9 hectares nos primeiros quatro meses do ano, 13,44% a mais do que no mesmo período de 2019.
Para as organizações ambientais, 2020 está prestes a se tornar um dos anos mais destrutivos para a maior floresta tropical do planeta.
O caos pode ser maior até que o que foi registrado em 2019, quando os incêndios desencadearam alarme internacional e fortes críticas ao presidente Jair Bolsonaro, um defensor aberto das atividades extrativistas e agropecuárias em áreas protegidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui