PUBLICIDADE
Início Colunas País de manetas – por Flávio Lauria

País de manetas – por Flávio Lauria

Flávio Lauria é Administrador de Empresas e Professor Universitário

Pela lei do Alcorão, o ladrão deve ter a mão direita decepada. Nos tempos atuais, por influência da tecnologia ocidental, a única concessão que os islamitas fazem é permitir a anestesia do braço do condenado. Suponha só o leitor se, como consequência da vitória do Islã no mundo, o Brasil fosse islamizado: acabaríamos virando um país de manetas, pois, haveria multidões com a destra decepada, de deputados, ministros, senadores, juízes, governadores ao povão analfabeto do interior.

Basta ler os jornais: a lista dos “lalaus” e assemelhados não acaba; cada dia aparecem mais em todas as camadas sociais. Se um caminhão sofre qualquer acidente nas estradas, num instante sua carga é saqueada pela população da vizinhança. Pelo visto, o sétimo mandamento do Decálogo é aqui simplesmente desconsiderado senão ignorado: as exceções confirmam a regra. Somos então um país de ladrões, pelo menos em maioria? Que o leitor responsa e não eu. Apenas quero aqui refletir em profundidade sobre os fatos assinalados quase diariamente pelos jornais e TV em matéria de furto e roubo. A ideia de propriedade nasce no homem como consequência do trabalho. Ora, nossos índios e primeiros colonizadores apenas colhiam na natureza o que precisavam para o próprio sustento: não era roubo se o mato abundante era de todos. A situação evoluiu devagar já que até os anos trinta do século XX éramos ainda um país essencialmente agrícola. Daí que nossa industrialização, relativamente recente, não deu ainda para mudar a mentalidade da população como um todo.

PUBLICIDADE

O título do livro de Jorge Amado Terras do Sem Fim é um documento significativo dessa mentalidade ingenuamente coletivista. Quantos séculos levou a Inglaterra, por exemplo, para enraizar na mentalidade de seu povo os direitos do cidadão? A Magna Carta é de 1215 e nunca foi abolida, mas só enriquecida com novas leis de detalhamento do texto primitivo e, até hoje, o Parlamento britânico permanece atento a qualquer violação de direito individual. Logo, para o brasileiro deixar de roubar precisa ir à escola desde cedo, aprende a ganhar o seu pão com o suor do próprio rosto e “não fazer aos outros o que não quer que lhe façam”, como já ensinava o velho Confúcio. Ora, isso vai demorar um bom tempo, mas um dia chegaremos lá: aí, então, seremos plenamente desenvolvidos. Com a derrocada do comunismo no mundo, a partir da própria ex-União Soviética, a ideia de propriedade perdeu aquele triste ranço coletivista de Proudhon para quem “a propriedade é o roubo” e partilhado ainda por muitos esquerdistas. Claro que ela não pode atender contra os direitos individuais do cidadão e tem os limites do bom senso e, por isso, a luta entre direita e esquerda não faz mais sentido hoje em matéria de posse de bens.

No Brasil, a ideia de propriedade evoluiu na razão direta do crescimento demográfico: a prova está nesse grande movimento dos sem-terra. O conceito de terra improdutiva, aliás, tem de ser reexaminado. Afinal, as florestas produzem oxigênio, indispensável à vida, logo são muito produtivas: derrubá-las é um crime contra a saúde do povo. Se continuar esse infeliz desmatamento do Brasil, seremos um dia obrigados a viver com máscaras de oxigênio. A racionalidade nem sempre tem norteado a evolução do nosso povo. O roubo da propriedade alheia no mais das vezes é perpetrado por quem não tem plena consciência do seu verdadeiro dono e, como de fato há vários Brasis, não se pode usar o mesmo padrão de posse nesse continente que é nosso país: cada macrorregião tem características próprias. Isso, é óbvio, de modo algum justifica o roubo, apenas alerta para a necessidade de se apurar qual ou quais os verdadeiros proprietários.

O respeito ao direito alheio é a base da sociedade democrática. Para construirmos o Brasil com que todos sonhamos é preciso conscientizar cada cidadão de que só terá seus direitos respeitados na medida em que respeitar os dos outros.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Conteúdo bloqueado!