Partido Trabalhista expulsa governo conservador na Austrália após nove anos 

Austrália expulsa os conservadores após nove anos, e Albany assume como primeiro-ministro - foto: redes sociais

Partido Trabalhista expulsa governo conservador na Austrália após nove anos

Atual primeiro-ministro reconheceu derrota em eleições que país realizou este sábado. Depois de nove anos como oposição, sigla da esquerda pode ter que precisar de aliança com outros partidos para formar governo. Temas como mudanças climáticas dominarão campanha eleitoral.

O atual primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, reconheceu derrota nas eleições realizadas neste sábado (20) no país para o Partido Trabalhista, de oposição.

Na contagem dos votos, que ainda não terminou, a sigla de centro-esquerda já é a vencedora, com a maior bancada no Parlamento – na Austrália, o voto é contabilizado para o Parlamento, que indica o primeiro-ministro.

No entanto, a sigla ainda não conquistou maioria absoluta e, por isso, pode ter que precisar de alianças com partidos menores para formar governo.

Já Morrison reconheceu que seu partido não obterá o número mínimo de apoio para formar um novo governo.

“Falei com o líder da oposição e o novo primeiro-ministro, Anthony Albanese, e o parabenizei por sua vitória eleitoral”, disse o premiê Morrison, ao admitir uma derrota que deve colocar fim a um governo de nove anos, formado por uma aliança entre liberais e nacionalistas.

No início da manhã, pesquisas feitas pelas redes ABC e Sky News já indicavam que o atual governo obteve menos votos que o necessário, fazendo coro com pesquisas de intenção de voto ao longo da semana.

O atual primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, em discurso no qual reconhece a derrota nas eleições de seu país, ao lado da mulher e as duas filhas, em 21 de maio de 2022 — Foto: Loren Elliott/ Reuters

No entanto, a margem era apertada, o que ainda traz um clima de incerteza para as eleições nacionais que o país realiza. Ao longo do dia, australianos encheram urnas de votação, que começaram às 19h de sexta-feira (20) no horário de Brasília e registraram longas filas.

A projeção inicial também mostrava que o Partido Trabalhista, apontado como favorito, perde terreno para siglas menores e independentes, incluindo os que abordam questões ambientais e climáticas. No entanto, uma coalizão liderada pelos trabalhistas pode vencer o pleito.

G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui