Pesquisa pós 7 de Setembro foi adiada para evitar mais derretimento de Bolsonaro

XP adia pesquisa para "suavizar" efeito negativo do 7 de setembro para Bolsonaro; sócios querem cancelar levantamento - foto: recorte/montagem

A XP Investimentos decidiu adiar a sua tradicional pesquisa de popularidade do governo Bolsonaro e as intenções de voto para 2022 após a última pesquisa mostrar o derretimento de Jair Bolsonaro e uma vantagem ainda maior do o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na corrida eleitoral.

Os sócios da empresa decidiram a pesquisa, divulgada sempre no meio do mês, na expectativa de que o efeito negativo do 7 de setembro para Bolsonaro seja suavizado.A pressão interna de sócios e clientes, que não  gostaram de ver a impopularidade de Bolsonaro na última pesquisa, levou a XP a adiar a pesquisa, informa o jornalista Guilherme Amado em sua coluna no Metrópoles.

A pesquisa sairá em 29 ou 30 de setembro, segundo reportagem, mas pode ser a última.

Alguns diretores estão pressionando a empresa para que a pesquisa deixe de ser realizada ou, se publicada, não seja vinculada à XP.

Na pesquisa anterior, divulgada em 17 de agosto, Lula  aumentou a vantagem contra Jair Bolsonaro para 2022 de 12 para 16 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior. Ele apareceu com 40%, 2 pontos percentuais a mais que na pesquisa anterior, enquanto Bolsonaro tinha 24%, 2 pontos a menos que na última sondagem. No segundo turno, o petista é o melhor candidato para vencer Bolsonaro, por 51% a 32%.

“Bruno Constantino, CFO e um dos mais relevantes sócios da XP, estrilou internamente. Reclamou por WhatsApp e por telefone com os responsáveis pela produção do material. Chegou até a questionar a metodologia da pesquisa, que, aliás, é a mesma desde 2018”, destacou o jornalista Lauro Jardim, de O Globo, na ocasião.

Brasil 247

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui