Polícia prende suspeito de integrar facção com carros de luxo e aviões

Foto: Divulgação

Um suposto integrante de uma organização criminosa foi preso por policiais do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) na quarta-feira (4). Ele é suspeito de atuar como principal agenciador de negócios da facção. A ação da polícia começou na segunda-feira (2).

O principal suspeito era um empresário de origem portuguesa, conhecido como Murruga, detido em Paulínia, região de Campinas.

Foram apreendidos veículos de luxo, cocaína, armas e nove aeronaves. Os aviões faziam parte de uma frota utilizada para transporte de drogas, armas e dinheiro.

As informações sobre o empresário surgiram durante a prisão de outro suposto integrante do crime organizado, detido em agosto deste ano e responsável pela movimentação de dinheiro e drogas de uma facção.

As investigações revelaram que outro português também estava envolvido no esquema. A princípio, o homem conhecido como Murruga aparecia nas investigações como doleiro.

As investigações sobre suas atividades revelaram uma relação mais participativa nas atividades criminosas. Segundo a polícia, devido ao conhecimento adquirido na compra e venda de dinheiro, o empresário passou a atuar como um agenciador de prestação de serviços.

Ele teria passado a resolver problemas de logísticas e lavagem de dinheiro. Segundo a polícia, ele agenciava aviões para transporte de drogas das principais regiões produtores. Também carregava armas para abastecer os criminosos e dinheiro de outros países para o Brasil. Para isso utilizava aeroportos em cidades próximas à capital paulista.

Investigações e prisão

A operação da polícia começou na segunda-feira por meio do cumprimento de mandados de busca e apreensão. O homem foi preso em um condomínio fechado no Jardim Fortaleza, em Paulínia.

A equipe da 2ª Delegacia afirma ter encontrado com ele um tijolo de cocaína. A peça funcionava como um mostruário aos interessados em comprar o entorpecente.

Também foram apreendidos veículos importados: um Mini Cooper S, dois BMW X6, uma picape Volkswagen Amarok, Cam AM Maverick e uma motocicleta Harley Davidson. E os nacionais: um Honda HR-V e um Volkswagen Voyage.

As equipes da 2ª Patrimônio estiveram também no aeroporto de Bragança Paulista. No local foram apreendidas nove aeronaves em um mesmo hangar. Também três pistolas, um revólver e uma espingarda calibre 12.

A última etapa aconteceu na quarta-feira em um escritório no Tatuapé, na zona leste.

Os policiais apreenderam computadores utilizados em negócios. Principalmente transferência de valores utilizando como moeda o bitcoin, tipo de dinheiro virtual. Ele responde por associação ao tráfico, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Fonte: R7


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui