Venezuela Mitos e Fatos – por Rodrigo Furtado

Colunista político Rodrigo Furtado

Todos nós sabemos da delicada e grave crise que desencadeou na Venezuela, porém, é importante que saibamos quais os motivos reais que levaram o país a entrar no seu colapso social e econômico.

Nas eleições gerais de 2018, com 67% dos votos, Nicolás Maduro foi eleito democraticamente pela ampla maioria da nação, o voto é facultativo, ou seja, participa pela escolha dos seus representantes quem quer. Vale ainda ressaltar que Maduro contou com três (3) adversários que também concorreram ao pleito, respeitando as regras democráticas vigentes no país.

O processo eleitoral que culminou no apogeu de Maduro ao maior cargo do comando da Venezuela, o de presidente da república, passou pelo crivo do observatório internacional, em uma comissão composta por mais de 200 observadores de diversos países, que durante o certame validou as eleições.

Um dos membros da comissão, o senhor José Luis Rodríguez Zapatero, um político espanhol, foi o quinto presidente do governo da Espanha, de 2004 até 2011 desde a restauração democrática em 1978. Zapatero é insuspeito, não é da esquerda e chegou ao poder após sua vitória nas eleições gerais em 14 de março de 2004. Na época, o ex-presidente afirmou que não tinha mais dúvidas, que os cidadãos venezuelanos votavam livremente.

Alguns países atualmente, acreditam que podem questionar a legitimidade da consciência do povo venezuelano. Algumas dúvidas vão surgindo em relação ao assunto, mas as suspeitas sobrevêm a isso quando averiguamos a potência que representa hoje o país vizinho.

A Venezuela representa aquela que detém a maior reserva de petróleo do mundo e poderá assumir esse ano a presidência da Organização dos Países Exportadores De Petróleo – OPEP, contrariando os interesses dos Estados Unidos ao defender o seu petróleo.

Lembramos que essa história já vimos com o Iraque, que foi atacado pela força militar norte americana com o argumento de garantir a soberania nacional do país e de reorganizar a democracia, pois bem, não se ouviu falar mais do Iraque, mas os Estados Unidos estão lá explorando o petróleo, riqueza essa do povo Iraquiano.

Os americanos são os maiores importadores de petróleo do mundo e hoje fazem esse translado com o Oriente Médio, que leva de 40 a 45 dias de viagem pelo mar, cruzando o oceano Atlântico. É importante lembrar que a Venezuela é vizinho próximo dos EUA e ao importar petróleo deles, a média de viagem é de 4 a 5 dias, bem mais rápido. E ao compararmos o custo entre a distância, podemos entender muito bem o real interesse dos nortes americanos.

É muito importante que entendamos como esses interesses determinaram a história da Venezuela. Por mais de 40 anos isso foi determinado pelo que foi chamado de : Pacto de Ponto Fixo, foi um pacto político entre a Ação Democrática e o Comitê de Organização Político Eleitoral Independente-COPEI, dois partidos de direita que através dessa união eles concordaram com uma questão política comum, que era de se alternarem no poder a cada período eleitoral e sequestraram assim a democracia venezuelana em todo esse período, fazendo o povo sofrer e sem ter nenhuma representação, defendendo apenas os interesses das oligarquias e a única coisa que garantiram foram vender o petróleo venezuelano mais barato aos Estados Unidos.

Essa realidade também fica clara com o impeachment da Presidente Dilma Rousseff, quando a depuseram, de imediato o Senado da República abriu a exploração de petróleo brasileiro aos estrangeiros, comprometendo assim a nossa riqueza e soberania que não fica mais com os brasileiros.

Em fevereiro a março de 1989 o povo começou a reagir mais fortemente contra essas medidas, que ficou conhecida como movimento CARACAZO, este marco histórico triste resultou na morte no mais de 3 mil pessoas em 1 semana, significando a ordem do Governo a época de reprimir as manifestações populares.

Com tudo, em meio a esse caos social, entre os comandantes militares que se recusaram a atirar pra matar no povo, estava Hugo Chávez que se candidatou nas eleições e foi conduzido pela nação ao poder executivo em 1998.

O Governo chavista significou uma abonancia aos venezuelanos e venezuelanas, primeiro de tudo porque fortaleceu a democracia no país compreendida tais como: Realizou reformas democráticas em todas as instituições do Estado através da Assembleia Nacional Constituinte; foram realizadas 19 processos eleitorais respeitando as regras constitucionais.

A instalação da democracia permanente concedeu a todos a participação efetiva na tomada de decisões, resultando nos avanços das políticas sociais. A pobreza passou de 52 % em 1995 para 23% em 2012. A mortalidade infantil diminuiu em 50% e a saúde e a seguridade social somam atualmente 21% do orçamento do Estado.

As matrículas universitárias passaram de 800 mil para 2.600.000 (Dois milhões e seiscentos mil) atualmente e 75 universidades públicas foram construídas no país. O analfabetismo foi erradicado em todo o território nacional.

Percebendo a emancipação da Venezuela, vendo a sua preocupação com o seu povo e não com os seus interesses, os Estado Unidos iniciou um bloqueio econômico em 2003 que levou a tentativa de desestabilizar o país e de por o seu povo contra o seu governo, levando ao empobrecimento da sociedade lhe faltando tudo, como vemos hoje.

*Rodrigo Furtado é Coordenador Municipal da Central de Movimentos Populares e Colunista Político do Portal de Notícias Correio da Amazônia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui