Aluna Emily Padron é classificada para fase nacional da Olimpíada de Informática

Foto: Eliton Santos / Semed

A aluna da Prefeitura de Manaus Emily Padron, 10, do 5º ano, foi classificada para a fase nacional da Olimpíada Brasileira de Informática (OBI). Estudante da escola municipal Ester, no quilômetro 8 da BR-174, zona rural da cidade, coordenada pela Secretaria Municipal de Educação (Semed), Emily concorre na modalidade de iniciação nível Júnior, referente ao 4º e 5º anos do ensino fundamental.

A OBI é promovida pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC), organizada nos moldes de outras olimpíadas científicas brasileiras, como as de Matemática, Física e Astronomia. O objetivo é despertar nos alunos o interesse por uma ciência importante na formação básica contemporânea, nesse caso a ciência da computação, por meio de um conjunto de etapas com atividades e desafios que despertam a criatividade, a engenhosidade e uma saudável dose de competição.

O coordenador do Centro de Tecnologias Educacionais (CTEs) da escola Ester, Eumar Nascimento, disse que a unidade de ensino criou uma metodologia específica para ajudar os alunos.
“Para preparar os alunos, nós criamos nossas próprias oficinas, que eram muito práticas e direcionadas para as questões da OBI. Além das questões, realizávamos desafios, onde eles tinham um tempo de 24 horas para responder, junto com os esquemas que eles criaram para chegar à conclusão. Para a última fase da Olimpíada, iremos nos preparar ainda mais”, informou o coordenador.

Foto: Eliton Santos / Semed

A escola Ester, que está em reforma e onde as aulas acontecem de forma remota, conta com 270 crianças da educação infantil e ensino fundamental do 1º ao 5º ano.

A gestora Naomi Hattori falou sobre a classificação da aluna e sobre o apoio que a unidade de ensino recebeu. “Nós estamos muito orgulhosos da classificação da Emily para a fase nacional. Mesmo com a nossa escola em reforma, as atividades não pararam e para isso contamos com o apoio da escola Maria Leide por proporcionar que pudéssemos usar o Telecentro”, disse Naomi, que também contou que a escola presenteou Emily com um tablet.

Foto: Eliton Santos / Semed

“Eu fiquei muito contente, satisfeita, eu não esperava conseguir essa classificação, porque as questões de lógica são bem difíceis e exigem muita concentração. Eu me preparei melhor na primeira fase, a segunda foi mais complicada, porque também tive muitas atividades da escola, mas o meu professor me orientou bastante, assim como a minha mãe, que sempre me incentiva nos meus estudos”, pontuou a aluna.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui