Amazonas Cultura

Balé Experimental do Amazonas representa o Estado em Berlim

Bailarinos Remilton de Souza e Karla do Carmo - Foto: Michael Dantas/SEC
Redação I
Escrito por Redação I

O Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas representará o Estado na cidade de Berlim, na Alemanha, em uma Gala Comemorativa que será realizada pela Escola Staatliche Balletschulle, no dia 4 de junho. Esta será a primeira vez que o grupo, que faz parte dos Corpos Artísticos da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), viajará ao país.
Segundo a diretora artística do Balé Experimental, Monique Andrade, a ideia de participar do evento surgiu em 2017, quando representantes da SEC e da escola conversaram a respeito de um intercâmbio cultural. A Gala Comemorativa promete reunir bailarinos do mundo todo.

“Como nós já fizemos um contato no passado e já conhecíamos a estrutura da escola, eles decidiram convidar a companhia jovem que temos em Manaus. Creio que houve uma identificação, já que a escola também é formada por alunos com um perfil jovem e em fase de experimentação”, destaca. “Após várias conversas, nós enviamos o vídeo do espetáculo ‘Plutão já foi Planeta’ e eles gostaram muito de um trecho que contém um pas-de-deux (passo de ballet realizado por dois bailarinos) e resolveram fazer esse intercâmbio levando a dupla para Berlim”.

Bailarinos Remilton de Souza e Karla do Carmo – Foto: Michael Dantas/SEC

Os bailarinos Remilton de Souza Nunes, de 23 anos, e Karla da Silva do Carmo, de 18 anos de idade, foram selecionados para representar a companhia com trechos de “Plutão já foi Planeta”. Monique conta ainda, que dupla é a mais antiga do Balé Experimental – grupo que em 2018 teve quase todo o quadro de bailarinos renovado.

“É muito importante que eles possam ter mais experiências no universo da dança, ter a vivência de outro país, estrutura e linguagem, e também fazer intercâmbio com outros bailarinos, inclusive brasileiros. Estamos no quarto ano de trabalho e em 2018 com um elenco renovado. Os primeiros bailarinos que passaram conosco já estão nos corpos profissionais e isso é um sucesso”.

Com apresentação marcada para 4 de junho, a dupla já trabalha na realização de ensaios para o espetáculo a ser apresentado no evento. Karla considera a participação uma espécie de vitrine em sua carreira.

“É a primeira vez que eu participo em algo do tipo e acredito que pode trazer muitas oportunidades em minha carreira. Só tenho gratidão”.

Remilton está no Balé Experimental desde a fundação do grupo, em 2014, e acaba de ministrar um workshop para dançarinos do Corpo de Dança do Amazonas (CDA) que participarão da ópera “Kawah Ijen”, que estreia dia 27 de maio, no 21º Festival Amazonas de Ópera (FAO). Ele conta que estará em Berlim no dia de seu aniversário e que considera essa participação um presente.

Bailarinos Remilton de Souza e Karla do Carmo – Foto: Michael Dantas/SEC

“Esse é o meu presente de aniversário, que vai ser dia 4 de junho. Nunca fiz uma viagem internacional e para mim está sendo incrível porque o Balé Experimental é minha realização profissional. Nós estamos ansiosos e ensaiando bastante para representar muito bem o nosso Estado”.

Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas – O Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas foi criado em 2014, dentro da política de preparação, qualificação e profissionalização estadual. O grupo conta com 20 jovens, entre 15 e 24 anos, que começaram ainda crianças no Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro e passaram por várias etapas para chegar no Corpo Artístico da SEC.

Monique Andrade destaca a relevância do grupo para a formação de profissionais da dança no Amazonas. “O Balé Experimental veio para preencher a lacuna que existia nos corpos de dança. Os alunos recém-formados pelo Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro, por exemplo, saíam do curso sem saber como se preparar para os Corpos Artísticos e o Balé Experimental supriu essa lacuna. Acho muito importante esse grupo em nosso cenário artístico”, pontua.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário