Bill Gates, um iluminado, e o covid-19 – por Osíris Silva

Escritor e economista Osíris Silva/Foto: Divulgação

Bill Gates, fundador da Microsoft, recém-vacinado contra a covid-19, conversa com EL PAÍS sobre a pandemia atual e as futuras, a expansão dos movimentos antivacinas e negacionistas (de direita e de esquerda) nas redes sociais.

O mundo de Gates, não que seja um céu de brigadeiro, mas, num  futuro brevíssimo, espera-se, estará de volta à normalidade pós-pandêmica, graças, sobretudo, à vacinação em massa.

Esta perspectiva leva em conta, sobretudo, que a população precisa fazer sua parte. Não adianta cobrar do governo e se entregar tresloucadamente a aglomerações promovidas por pancadões e festas clandestinas outras como se o coronavírus já estivesse dominado.

Como a prudência recomenda: não está, pois só a imunização em massa irá  controlar a doença. De igual forma que no passado em relação à peste negra, à gripe espanhola, à NH1N1 e às viroses em geral. Apenas foram controladas com a intervenção fundamental da Ciência.

Extraí do texto completo do jornal as seguintes e fundamentais considerações de Gates a respeito da pandemia.

Pergunta. Há exatamente um ano o novo coronavírus, registrado em Wuhan (China), começou sua rápida expansão pelo mundo. O custo em vidas e a devastação econômica são imensos, mas já temos várias vacinas para combatê-lo. Atreve-se a vaticinar onde estaremos dentro de um ano?

Resposta. Teremos superado em grande medida os efeitos mais dramáticos da pandemia, embora seja possível que o vírus continue circulando por algum lugar do mundo. A questão agora é se seremos capazes de reduzir a cifra [de contágios] a zero, ou se ela se tornará uma doença endêmica e teremos que continuar vacinando em um nível mais ou menos alto de maneira continuada. Não sabemos ainda. O ideal seria conseguir que o vírus não se espalhe entre humanos. De resto, as lojas voltarão a abrir, retornarão os eventos públicos, desde que pelo menos 70% da população esteja vacinada. Mas, sim, neste próximo verão [do Hemisfério Norte] as coisas voltarão em grande medida à normalidade. E, em 2022, países como a Espanha e os Estados Unidos já a terão recuperado quase totalmente e poderão realizar grandes atos públicos.

  1. Até que ponto lhe preocupam as novas variantes ou mutações do coronavírus, e em que medida elas podem alterar seu prognóstico?
  2. À medida que surjam novas variantes é possível que precisemos modificar as vacinas para obter uma maior eficácia. O que a variante faz é reduzir significativamente a eficácia dos anticorpos monoclonais, nos quais confiávamos para reduzir a taxa de mortalidade paralelamente ao avanço das campanhas de vacinação. Infelizmente, essa ferramenta terapêutica não será tão valiosa como se esperava. Entretanto, as vacinas das quais dispomos, como a da Pfizer e da Moderna, são tão poderosas que seus efeitos são muito eficazes. Ainda não estamos muito certos de que seja preciso modificá-las, mas estamos investigando por via das dúvidas. Levaríamos uns três meses para fazer os testes de segurança e fabricá-las.
  3. Já se vacinou?
  4. Sim. Me injetaram a primeira dose da vacina da Moderna há alguns dias na Califórnia, onde já estão sendo imunizados os maiores de 65 anos.

15 de fevereiro de 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui