Bosque da Ciência reabre ao público após ser fechado por falta de recursos

Bosque da Ciência, no Inpa em Manaus — Foto: Eduardo Gomes/Divulgação Inpa

O Bosque da Ciência, localizado em Manaus, reabriu as portas para o público após quatro dias de visitas suspensas por falta de recursos para funcionamento. A reabertura ocorreu na manhã deste sábado (13) após a assinatura de um Termo de Cooperação Técnica, que deve garantir a manutenção do local nos próximos meses.

O Bosque é administrado pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e está localizado na avenida Bem-Te-Vi, s/n, Petrópolis, anexo à sede do Instituto. O local é um dos pontos turísticos da capital.

Segundo a diretora do Inpa, Antônia Ramos, o local conta, atualmente, com um número reduzido de funcionários, o que afeta o monitoramento do espaço. Recém inaugurada, a Casa da Ciência, por exemplo, sofreu com ações de vandalismo de visitantes.

“Riscaram as paredes, quebraram algumas coisas e, além disso, foi vista a necessidade de mais monitores que pudessem fiscalizar a Casa da Ciência. A Casa da Ciência foi recém-inaugurada por meio de um projeto de renovação com apoio financeiro internacional”, explicou.
Durante reabertura na manhã deste sábado, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, assinou um Termo de Cooperação Técnica para fornecer recursos à unidade. Entre as medidas anunciadas estão o envio de estagiários e bolsistas cedidos pelo município para recepcionar visitantes, entre outras atividades.

“Temos que entender que é um reforço, mas é temporário. Vamos tentar é realizar um estudo de viabilidade econômica para tentarmos terceirizar uma parte do Bosque. Acredito que, acontecendo isso, vai nos auxiliar em termos de administração, de contrato e recursos humanos e tentar fazer com o Bosque se auto sustente. O Ministério tem nos apoiado sim, mas a situação econômica vai além do que eles têm de possibilidades: de concurso público e aumento do orçamento”, disse a diretora do Inpa, Antônia Ramos.

Bosque da Ciência, no Inpa em Manaus — Foto: Eduardo Gomes/Divulgação Inpa

A coordenadora de extensão do Inpa, Dra. Rita Mesquita, disse que o Bosque da Ciência possui atualmente um veterinário responsável por todos os animais, além de uma equipe de manutenção. Existem ainda, contratos vigentes de alimentação de todos os animais. Ainda assim, segundo ela, não há relatos de episódios de doença nem de mortalidade.

“Os animais estão muito saudáveis. O Bosque é um local cheio de espécies frutíferas que podem se alimentar diretamente, temos uma suplementação que são regular dessa dieta”, completou.

Há orçamento de mais de R$ 1 milhão repassado pelo Ministério do Meio Ambiente para o Bosque da Ciência. O recurso, conforme a coordenadora, é destinado a correções de maior porte, como serviços de recuperação do tanque do Poraquê – onde vivem peixes-boi, que sofreu uma rachadura.

Sobre o Bosque da Ciência

Com uma área de aproximadamente 13 hectares, o Bosque da Ciência foi inaugurado em 1995, como parte das comemorações do 40º aniversário do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). Foi projetado e estruturado para oferecer à população uma nova opção de lazer de caráter científico e cultural ao despertar no público interesse pelo meio ambiente.

Através das trilhas educativas o visitante tem acesso aos atrativos do Bosque da Ciência, além de receber informações sobre a fauna, a flora e o ecossistemas da Amazônia. O público também pode conferir os Tanques de Peixes-Boi, Viveiro de Ariranhas, Casa da Ciência, Ilha de Tanimbuca, Casa da Madeira, Abraço da Morte, Viveiro de Jacaré, Orquidário e Bromeliário, dentre outras.

Fonte: G1


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui