Como vive a tribo que matou jovem americano com flechas na Índia

As autoridades dizem que os membros da tribo vivem isolados há quase 60 mil anos - Foto: Christian Caron

O mistério que ronda a tribo que vive na Ilha Sentinela do Norte é tamanho que não se sabe que língua seus membros falam, nem quantos são. O que se sabe é que este é um dos últimos agrupamentos no mundo que não mantém contato com outros grupos do lado de fora.

A ilha, parte do arquipélago de Andaman e Nicobar, na Baía de Bengala, no Oceano Índico, fica a mais de mil quilômetros de qualquer porto na Índia continental.

Eles são tão desconhecidos que até mesmo na própria Índia pouco se sabe sobre sua existência, explica Ayeshea Perera, editora do serviço hindi da BBC (seção em hindu do serviço mundial), em Delhi.

Andaman é morada para cinco tribos ‘particularmente vulneráveis’ — Foto: Getty Images/BBC

“A última vez que eles receberam atenção foi depois do tsunami de 2004, quando o governo indiano precisou investigar se eles sobreviveram ao desastre”, diz Perera.

Agora, os moradores da ilha estão de volta aos holofotes depois do incidente em que o turista americano John Chau foi morto a flechadas. Não está claro se ele foi a Sentinela do Norte para pregar o cristianismo ou para viver uma aventura.

Perigo de extinção

Estima-se que existam entre 50 e 150 pessoas da tribo na ilha, cuja visita é proibida – devido sobretudo ao risco de que os nativos sejam contaminados com doenças de fora.

“Sem imunidade, qualquer vírus pode matar toda a tribo”, explica a editora

Andaman abriga cinco tribos classificadas como “particularmente vulneráveis”. Além dos sentineleses, estão ali os jarawas, os grandes andamanenses, os onge e os shompen. Os sentineleses e os jarawas não se integraram ao resto da comunidade da ilha.

A tribo da ilha de Sentinela mostrou objeção a conviver com estranhos – Foto: Indian Coastguard/Survival International

“Os ‘sentinelas’ são um dos povos mais primitivos e ameaçados da Terra”, disse uma fonte do governo indiano ao jornal Indian Express.

O pouco que se sabe sobre eles é que sua origem está em uma migração originada na África há 60 mil anos, e que hoje eles vivem em uma pequena área de floresta. Trata-se de uma das poucas tribos de caçadores-coletores no mundo.

Os sentineleses também se destacam pelo uso do arco e flecha, item com o qual eles caçam e se defendem – e mostram-se hostis a estrangeiros. Em 1974, um diretor de cinema que visitou o local recebeu uma flechada em uma perna. Sua equipe tentava filmar um documentário para a National Geographic.

Após o tsunami de 2004, que afetou a bacia do Oceano Índico, autoridades da Índia usaram helicópteros para verificar a situação da tribo e foram recebidas com flechas.

“A resistência deles a todo contato com o mundo exterior tornou impossível alguma aproximação”, diz Ayeshea Perera.

No Brasil e em outros países sul-americanos, como o Equador e o Peru, também existem várias tribos isoladas.

Leia a matéria completa aqui.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui